quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Não reclames da Terra
Os seres que partiram…
Olha a planta que volta
Na semente a morrer.

Chora, de vez que o pranto
Purifica a visão.

No entanto, continua
Agindo para o bem.

Lágrima sem revolta
É orvalho da esperança.

A morte é a própria vida
Numa nova edição.

[separador49%255B3%255D.gif]

Emmanuel/Chico Xavier

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016
Arte: Vladimir Volegov (Russian)


SE SOU ALEGRE OU SOU TRISTE?...
Fernando Pessoa


Se sou alegre ou sou triste?...
Francamente, não o sei.
A tristeza em que consiste?
Da alegria o que farei?

Não sou alegre nem triste.
Verdade, não sei que sou.
Sou qualquer alma que existe
E sinto o que Deus fadou.

Afinal, alegre ou triste?
Pensar nunca tem bom fim...
Minha tristeza consiste
Em não saber bem de mim...
Mas a alegria é assim...

separador13
Leia mais do autor Fernando Pessoa - A Voz da Poesia
Arte: Jonathon Earl Bowser





















ORAÇÃO À YEMANJÁ


Oh! Doce e querida Mamãe Iemanjá.

Vós permitistes que no seio de vossa morada se formassem as primitivas formas de vida, que formam o berço de toda a criação, de toda a natureza, e de toda a humanidade, aceitai nossas preces de reconhecimento e amor.

Oh! Visão divina e celestial.

Que os lampejos que emanam de vosso diáfano manto de estrelas venham, como benéficas vibrações espirituais, aliviar os nossos males, curar aos doentes, apaziguar os nossos irmãos irados, consolar os corações aflitos.

Que as flores e oferendas que depositamos em vosso tapete sagrado, sejam por vós aceitas e quando entrarmos nas águas para vos ofertá-las sejam as ondas do mar portadoras de vossos fluidos divinos.

Fazei, Senhora rainha das águas, com que a espuma das ondas em sua alvura imaculada traga-nos a presença de Oxalá, limpe os nossos corações de todas as maldades e mal querências.

Que os nossos corpos, tocados por vossas águas sagradas, libertem-se em cada onda que passa, de todos os males matérias e espirituais.

Que a primeira onda a nos tocar afaste de nossas mentes todos os eventuais desejos de vingança.

Que a segunda onda lave nossos corações e nosso espírito, para que não atinjam as infâmias e mal querência de nossos desafetos.

Que a terceira onda afaste a vaidade de nossos corações.

Que a quarta onda lave nosso corpo de todos os males e doenças físicas para que, sadios, possamos prosseguir.

Que a quinta onda afaste de nossa mente a ganância e a cobiça.

Que a sexta onda venha carregada de flores e que nosso maior desejo seja o de cultivar o amor fraternal que deve existir entre todos os homens.

E que ao passar a sétima onda, nós, puros e limpos de mente, corpo e alma, possamos ver, ainda que apenas por alguns segundos o esplendor de vossa radiosa imagem.

É o que humildemente vos suplicam seus filhos.


segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016
Imagem da Cominidade "Citações que eu não citei, no Facebook

O planeta não precisa de mais pessoas bem-sucedidas. O planeta precisa desesperadamente de mais pacificadores, curadores, restauradores, contadores de histórias e amantes de todos os tipos.

Autor: David W. Orr
In Earth in Mind: On Educacation, Environment, and the Human Prospect, 2004
(www.amazon.com/Earth-Mind-Education-Environment-Prospect/dp/1559634952)

Fonte da pesquisa:
Comunidade Citações Que Eu Não Citei (Facebook)

sábado, 30 de janeiro de 2016
Arte de Alexi Zaitsev
Arte: Alexi Zaitsev

AMANHÃ
Alice Ruiz

minuto a minuto
quis um dia
todo azul
no teu dia

meu querer
quero crer
azulou
teu dia a dia
tudo que podia
Arte: Steve Henderson

CANÇÃO DO AMOR SERENO
Lya Luft

Vem sem receio: eu te recebo
Como um dom dos deuses do deserto...
Que decretaram minha trégua, e permitiram
Que o mel de teus olhos me invadisse.

Quero que o meu amor te faça livre,
Que meus dedos não te prendam
Mas contornem teu raro perfil
Como lábios tocam um anel sagrado.

Quero que o meu amor te seja enfeite
E conforto, porto de partida para a fundação
Do teu reino, em que a sombra
Seja abrigo e ilha.

Quero que o meu amor te seja leve
Como se dançasse numa praia uma menina.



Lya Luft - A Voz da Poesia

terça-feira, 26 de janeiro de 2016
Arte: Antonietta Varallo


NESTE DIA DE MAR E NEVOEIRO
Sophia de Mello Breyner Andresen



Neste dia de mar e nevoeiro
É tão próximo o teu rosto

São os longos horizontes
Os ritmos soltos dos ventos
E aquelas aves
Que desde o princípio das estações
Fizeram ninhos e emigraram
Para que num dia inverso tu as visses

Aquelas aves que tinham
uma memória eterna do teu rosto
E voam sempre dentro do teu sonho
Como se o teu olhar as sustentasse

[separador49%255B3%255D.gif]

© SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN
In Coral, 1950

Mais da autora: Sophia de Mello Breyner Andresen

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016
Arte: Dmitriy Kalyuzhny


INSANIDADES
Antonio Carlos Santos

Há em ti uma nuvem
que rasga o céu em tempestade,
e o tempo que sacode
o ventre de um poema vazio.


Há em ti uma parte
que se foi sem sobras,
no silêncio e solidão
do escuro das cores.


Há em ti o delírio
e a demência que flutua
numa sinfonia de liberdade
onde se devaneiam os impossíveis.


Há em ti…
…um pouco de louco
e a loucura que procurei
loucamente…


© Antonio Carlos Santos
In Da geometria do amor, 2015
Related Posts with Thumbnails

Poética

Poesias

Poetas

Vídeos

A Voz aqui

Pergunte-me

Me leva!

A Poética dos Amigos

DESTAQUE

Semana CASTRO ALVES

Começaremos a SEMANA CASTRO ALVES falando de uma homenagem feita pelo escritor e professor carioca Augusto Sérgio Bastos. Ele simulou uma en...

Google+

Feed

Posts Coments

Receber postagens por E-mail

Carregando...

Perdi todos :'(

Arquivos