quinta-feira, 21 de agosto de 2008



AI
Comp.: Tata Fernandes e Kléber Albuquerque
Intérprete: Rubi 

Deu meu coração de ficar dolorido
Arrasado num profundo pranto
Deu meu coração de falar esperanto
Na esperança de ser compreendido

Deu meu coração equivocado
Deu de desbotar o colorido
Deu de sentir-se apagado
Desiluminado
Desacontecido

Deu meu coração de ficar abatido
De bater sem sentido
Meu coração surrado
Deu de arrancar o curativo
Deu de cutucar o machucado

Deu de inventar palavra
Pra curar de significado
O escuro aço denso do silêncio
No coração trespassado


Eu te amo - disse.
E o mundo despencou-lhe nas costas
Não havia de sofer tanto
O mundo pesa sobre o amor
leveza da pena no espaço
E se teu amor - por mais pedra - não voar
liberta tuas costas do peso que não carregas
Se teu amor - por mais pena - não mergulhar
Vai-te banhar
e olha-te no olhar que não te cega
Se teu amor te pesa
mais que o mundo que carregas
degela-o e deixa-o beber os deltas


Deu meu coração de ficar abatido
De bater sem sentido
Meu coração surrado
Deu de arrancar o curativo
Deu de cutucar o machucado

Deu de inventar palavra
Pra curar de significado
O escuro aço denso do silêncio
No coração trespassado.

CD: "Infinito Portátil" (2005)  
Fonte do vídeo
Related Posts with Thumbnails

Poética

Poesias

Poetas

Vídeos

A Voz aqui

A Poética dos Amigos

Pesquisar neste blog

Rádio

Receber postagens por E-mail

Arquivos