segunda-feira, 28 de setembro de 2009
estrelas5
                                                  imagem by Google
NOTURNOS
Octávio Paz

Sou homem: duro pouco...
e é enorme a noite.
Mas olho para cima:
as estrelas escrevem.
Sem entender compreendo:
Também sou escritura
e neste mesmo instante
alguém me soletra. 

Octávio Paz nasceu na Cidade do México em 1914
Em 1990 obteve o prêmio Nobel de Literatura.
Morre na Cidade do México, em abril de 1998
sábado, 26 de setembro de 2009
 amor_saudade
                                                   imagem by Google
 
AS DUAS SOMBRAS: AMOR E SAUDADE
Zelisa Camargo

 
Na encruzilhada silenciosa do destino,
quando as estrelas se multiplicaram,
duas sombras errantes se encontraram.
A primeira falou:
- Nasci de um beijo de luz, sou força, vida,
alma e esplendor...
Trago em mim toda a sede do desejo,
Toda a ânsia do Universo.
Eu sou o Amor!
O Mundo sinto enxágüe em meus pés!
Sou delírio, loucura...
E tu, quem és?
A segunda:
- Eu nasci de uma lágrima.
Sou flama do teu incêndio que devora.
Vivo dos olhos tristes de quem ama,
para os olhos nevoentos de quem chora.
Dizem que vim ao mundo para ser boa,
para dar do meu sangue a quem queira.
Sou a Saudade, a tua companheira,
que punge, que consola e que perdoa...
Na encruzilhada silenciosa do Destino,
as duas sombras comovidas se abraçaram,
e, desde então, o Amor e a Saudade
nunca mais se separaram.

muriloconstantino_istoe                                                  Foto: Murilo Constantino Isto É

O dia em que Mindlin quebrou
Um dos maiores empreendedores do País, e apaixonado por livros, levou à ruína justamente uma livraria de obras raras
Por Tom Cardoso

Anos 40, centro de São Paulo. A cena ocorria quase todos os dias na Parthenon, livraria de obras raras instalada próximo à avenida São Luís. O cliente, ao comprar um livro, recebia de imediato a seguinte proposta de um dos três sócios da loja: "Se o senhor não gostar do livro, ou quiser devolvê-lo depois de ler, volte aqui que eu pago o dobro." Não é preciso dizer que a livraria foi à falência rapidamente, ao contrário de seu excêntrico dono, que, em poucos anos, se tornaria um próspero empresário. José Mindlin não ficou rico comercializando livros, nem poderia: continuou resistindo a vendêlos até se tornar o maior bibliófilo do País, com cerca de 40 mil títulos.

A fortuna veio com a venda de outra mercadoria pela qual ele não corria o risco de exercer qualquer tipo de afeição: pistões para automóveis.
Mindlin não entendia bulhufas de pistões - mas com eles criou a maior empresa de autopeças do Brasil nas décadas de 70 e 80. Mindlin amava (e ama) os livros, mas com eles levou à bancarrota sua pequena livraria. Espirituoso, o bibliófilo de 95 anos começou sua entrevista à DINHEIRO, concedida no confortável casarão no bairro do Brooklin, zona sul de São Paulo, revelando, sem qualquer cerimônia, o seu epitáfio: "José Mindlin: fabricou pistões a maior parte da vida sem saber do que se tratava".

Ele se diverte mesmo ao lembrar dos tempos de livreiro no centro de São Paulo. Conta que Jacques Bloch, seu amigo e atacadista de sucesso, aceitou investir 300 contos de réis, fortuna incalculável na época, para Mindlin e seu outro sócio, Cláudio Blum, comprarem livros raros na Europa, aproveitando os baixos preços do pós-guerra. O acervo de três mil livros emperrou pela já conhecida resistência de Mindlin em vendêlos. "Qualquer outro sócio teria me condenado à morte, mas o Bloch sabia que minha paixão pelos livros estava acima de qualquer ambição financeira", diz. As portas da livraria se abriram em 1946.

Cinco anos depois, com as contas no vermelho, o negócio foi transferido para o então gerente da casa e Mindlin deixou de ter qualquer vínculo com a Pathernon.
A questão é: a paixão de Mindlin pelos livros prejudicou o negócio? Economista da FEA/USP, há mais de 25 anos realizando estudos sobre empreendedores, Silvio Aparecido dos Santos não acredita nisso. "Mindlin aproveitou as conjunturas econômicas da época. Mindlin soube deixar ambos os negócios no momento certo: a Parthenon, antes de arruinar por completo os sócios, e a Metal Leve, antes da chegada dos grandes concorrentes. É um homem sensato", afirma Santos. Pedro Herz, proprietário da Livraria Cultura, rede de livrarias com mais de dois milhões de títulos em seu catálogo, é apaixonado por livros e, ao mesmo tempo, vendedor voraz.

"Sem paixão eu não iria tão longe. No caso do Mindlin é mais complicado. Não saberia definir em uma frase o que esse homem sente pelos seus livros."
Curiosamente, esse sentimento em relação à literatura ajudou na consolidação da Metal Leve. Mindlin era o responsável por negociar, no Rio de Janeiro, a liberação de guias de importação de matéria-prima.

Trabalho que costumava ser menos penoso desde que o empresário aceitasse pagar propina aos fiscais para "acelerar a liberação". Incorruptível, Mindlin vencia os fiscais, obrigados a conceder a licença de qualquer jeito, pelo cansaço. "O que eu precisava era mesmo de tempo livre para ler os meus livros. Nessas repartições, à espera das licenças, eu li a obra inteira de (Honoré de) Balzac", lembra. Ele também afirma que contou com uma boa dose de sorte. A Metal Leve, fundada com outros quatro sócios, surgiu no começo dos anos 50, na esteira do desenvolvimento da indústria automobilística e chegou a empregar seis mil funcionários e ter filiais no Exterior.
Quando decidiu vender as ações da empresa, em 1996, por causa da abertura do mercado brasileiro, Mindlin era um homem realizado: havia alcançado a independência financeira por um acaso do destino. E melhor, sem precisar vender um só livro.

Fonte:
http://www.terra.com.br/istoedinheiro/edicoes/625/artigo152663-1.htm

michaeljackson
                  imagem do google

POETA
Antonio Calloni 


para Michael Jackson

 
It's close to midnight
perto da meia-noite
a gargalhada final
crava
na memória do mundo
um desespero sem cor
de vida e morte
It's close to midnight
perto da meia-noite
um rosto fabricado canta
em todas as línguas
a eterna infância
canta entre mortos-vivos
dançam
querendo espantar o fim
cantam
It's close to midnight
perto da meia-noite
ninguém irá te salvar da besta
homens lutam
pela própria vida
and hope that this is just imagination
e o poeta transforma
a imaginação
em algo que possa
ser visto
...tira tudo de si...
o poeta está lutando
pela sua vida
envolto em conto sombrio
inside a killer
...tira tudo de si...
e espalha o gauche
o espanto
a desordem
inside a killer
a razão pura
fracassa
porque o escriba
fala
vive para sempre
e o cantor de todas as cores
canta para sempre
de dentro da vida
inside a killer
thriller night
...tira tudo de si...
com uma história
de medo
para a conquista
da mulher
da criação
da terra
it's close to midnight
é perto da meia-noite
uma criança original
negra ou branca
(it don't matter)
sorri
além da alegria
e da tristeza
embalada
por música
por desejo
por sonho
it's close to midnight
e a música faz
de cada minuto
todo o silêncio
Leia mais Antonio Calonni >> AQUI
sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Csaba_Markus_sunrise
                                            Pintura de Csaba Markus

“A maturidade me permite olhar com menos ilusões,
aceitar com menos sofrimento,
entender com mais tranquilidade,
querer com mais doçura.”

Lya Luft

Voz de Lázaro Ramos

PALAVRAS AO VENTO
Adriana Falcão

A primeira letra do alfabeto é também a primeira letra da palavra amor e se acha importantíssima por isso! Com A se escreve "arrependimento" que é uma inútil vontade de pedir ao tempo para voltar atrás e com A se dá o tipo de tchau mais triste que existe: "adeus"... Ah, é com A que se faz "abracadabra", palavra que se diz capaz de transformar sapo em príncipe e vice-versa...
Com B se diz "belo" - que é tudo que faz os olhos pensarem ser coração; e se dá a "bênção", um sim que pretende dar sorte.
Com C, "calendário", que é onde moram os dias e o "carnaval", esta oportunidade praticamente obrigatória de ser feliz com data marcada. "Civilizado" é quem já aprendeu a cantar ´parabéns pra você` e sabe o que é "contrato": "você isso, eu aquilo, com assinatura embaixo".
Com D , se chega à "dedução", o caminho entre o "se" e o "então"... Com D começa "defeito", que é cada pedacinho que falta para se chegar à perfeição e se pede "desculpa", uma palavra que pretende ser beijo.
E tem o E de "efêmero", quando o eterno passa logo; de "escuridão", que é o resto da noite, se alguém recortar as estrelas; e "emoção", um tango que ainda não foi feito. E tem também "eba!", uma forma de agradecimento muito utilizada por quem ganhou um pirulito, por exemplo...
F é para "fantasia", qualquer tipo de "já pensou se fosse assim?"; "fábula", uma história que poderia ter acontecido de verdade, se a verdade fosse um pouco mais maluca; e "fé", que é toda certeza que dispensa provas.
A sétima letra do alfabeto é G, que fica irritadíssima quando a confundem com o J. G, de "grade", que serve para prender todo mundo - uns dentro, outros fora; G de "goleiro", alguém em quem se pode botar a culpa do gol; G de "gente": carne, osso, alma e sentimento, tudo isso ao mesmo tempo.
Depois vem o H de "história": quando todas as palavras do dicionário ficam à disposição de quem quiser contar qualquer coisa que tenha acontecido ou sido inventada.
O I de "idade", aquilo que você tem certeza que vai ganhar de aniversário, queira ou não queira.
J de "janela!, por onde entra tudo que é lá fora e de "jasmim", que tem a sorte de ser flor e ainda tem a graça de se chamar assim.
L de "lá", onde a gente fica pensando se está melhor ou pior do que aqui; de "lágrima", sumo que sai pelos olhos quando se espreme o coração, e de "loucura", coisa que quem não tem só pode ser completamente louco.
M de "madrugada", quando vivem os sonhos...
N de "noiva", moça que geralmente usa branco por fora e vermelho por dentro.
O de "óbvio", não precisa explicar...
P de "pecado", algo que os homens inventaram e então inventaram que foi Deus que inventou.
Q, tudo que tem um não sei quê de não sei quê.
E R, de "rebolar", o que se tem que fazer pra chegar lá.
S é de "sagrado", tudo o que combina com uma cantata de Bach; de "segredo", aquilo que você está louco pra contar; de "sexo": quando o beijo é maior que a boca.
T é de "talvez", resposta pior que ´não`, uma vez que ainda deixa, meio bamba, uma esperança... De "tanto", um muito que até ficou tonto... De "testemunha": quem por sorte ou por azar, não estava em outro lugar.
U de "ui", um ài" que ainda é arrepio; de "último", que anuncia o começo de outra coisa; e de "único": tudo que, pela facilidade de virar nenhum, pede cuidado.
Vem o V, de "vazio", um termo injusto com a palavra nada; de "volúvel", uma pessoa que ora quer o que quer, ora quer o que querem que ela queira.
E chegamos ao X, uma incógnita... X de "xingamento", que é uma palavra ou frase destinada a acabar com a alegria de alguém; e de "xô", única palavra do dicionário das aves traduzida para o português.
Z é a última letra do alfabeto, que alcançou a glória quando foi usada pelo Zorro... Z de "zaga", algo que serve para o goleiro não se sentir o único culpado; de "zebra", quando você esperava liso e veio listrado; e de "zíper", fecho que precisa de um bom motivo pra ser aberto; e de "zureta", que é como fica a cabeça da gente ao final de um dicionário inteiro.

Cao_Yong_mediterranean_sunrise                                                             Pintura de Cao Yong


A poesia é o instrumento mais generoso para eliminar a solidão, a indiferença, o desencanto, o cinismo e a discriminação.
A solidão vale como espaço para refletir em profundidade sobre nosso destino comum e a ausência de solidariedade que desequilibra o sistema social, acentua privilégios e exclusões.
Se o poema, muitas vezes, amadurece sem terras, em solidão, sua existência (resistência) se justifica para lembrar que o ser humano mais uma vez não é ilha, mas partilha.
Lindolf Bell

Lindolf Bell nasceu em Timbó, Santa Catarina, em 1938, e faleceu em 10 de dezembro de 1998, em Blumenau.  Fundou o movimento Catequese Poética.  Foi contratado em 1973 para lecionar História da Arte na Fundação Universidade Regional de Blumenau, criando nessa cidade, em 1981, a Praça do Poema.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

  flores_g_207flores_m_036passaro_canario_da_terra


EU SEI O QUE É PRIMAVERA
Clarice Lispector
5 de outubro de 1968

Bem sei que é uma vaidade dizer em plena primavera que eu sei o que é primavera. Às vezes porém sou tão humilde que os outros me chamam a atenção. É uma humildade feita de gratidão talvez excessiva, é feita de um eu de criança, de susto também de criança. Mas, desta vez, quando percebi que estava humilde demais com a alegria que me era dada pela vinda da primavera chuvosa, dessa vez apossei-me do que é meu e dos outros.
Sei o que é primavera porque sinto um perfume de pólen no ar, que talvez seja o meu próprio pólen, sinto estremecimentos à toa quando um passarinho canta, e sinto que sem saber eu estou reformulando a vida. Porque estou viva. A primavera torturante, límpida e mortal que o diga, ela que me encontra cada ano tão pronta para recebê-la. Bem sei que é uma perturbação de sentidos. Mas, por que não ficar tonta? Aceito esta minha cabeça à chuva tremeluzente da primavera, aceito que eu existo, aceito que os outros existam porque é direito deles e porque sem eles eu morreria, aceito a possibilidade do grande Outro existir apesar de eu ter rezado pelo mínimo e não me ter sido dado.
Sinto que viver é inevitável. Posso na primavera ficar horas sentada fumando, apenas sendo. Ser às vezes sangra. Mas não há como não sangrar pois é no sangue que sinto a primavera. Dói. A primavera me dá coisas. Dá do que viver. E sinto que um dia na primavera é que vou morrer. De amor pungente e coração enfraquecido.


In A descoberta do mundo - Crônicas. Ed. Rocco, 1999

Para baixar uma imagem ou todas, entre no álbum do Picasa, clicando na imagem.

orquidea_Bert_Bomb                                                                Foto: Bert Bomb

“aprendi com as primaveras
a deixar-me cortar e a voltar sempre inteira.”

Cecília Meireles

“Há uma primavera em cada vida: é preciso cantá-la assim florida, pois se Deus nos deu voz, foi para cantar!

Florbela Espanca

“Depois do inverno, morte figurada,
A primavera, uma assunção de flores.
A vida
Renascida
E celebrada
Num festival de pétalas e cores.”

“Anda no ar um perfumado cheiro
a terra revolvida;
o vento emudeceu;
o sol desceu;
a primavera vai chegar, florida.”

Miguel Torga

Olhos postos na terra, tu virás
no ritmo da própria primavera,
e como as flores e os animais
abrirás as mãos de quem te espera.

Eugénio de Andrade

segunda-feira, 21 de setembro de 2009
Yosemite_National_Park_Bert_Bomb
                                                             Foto de Bert Bomb

BUCÓLICA
Miguel Torga
 
A vida é feita de nadas:
De grandes serras paradas
À espera de movimento;
De searas onduladas
Pelo vento;


De casas de moradia
Caídas e com sinais
De ninhos que outrora havia
Nos beirais;

De poeira;
De sombra de uma figueira;
De ver esta maravilha:
Meu pai a erguer uma videira
Como uma mãe que faz a trança à filha.




©Miguel Torga
Escrito em S. Martinho de Anta, 30 de Abril de 1937
Publicado em “Diário I”, Coimbra, 1941
E em “Poesia Completa”, 2000
Editora: Dom Quixote
Portugal

domingo, 20 de setembro de 2009

magmah_avp 
MAGMAH, é o pseudônimo da gaúcha SARA REIS, que estreia na Voz da Poesia. Ela se apresenta assim:

“Meu eu lírico é vulcânico, irracional e vive noutro mundo, uma espécie de universo paralelo. É apaixonado, intenso, egocêntrico e voraz.
Daí o pseudônimo, inspirado no “magma” que é rocha ígnea localizada no interior da terra, que está em constante estado de ebulição e só é lançada à superfície pela atividade de um vulcão (sempre iminente) e de cuja solidificação se formam pedras preciosas.

Mas eu própria não passo de uma menina, nascida nos pagos gaúchos, que ama poesia e gosta do exercício lírico como distração e desabafo.”

SAIBA MAIS >> AQUI

ou cole e copie no seu navegador:
www.avozdapoesia.com.br/magmah

florbela_espanca 
Florbela de Alma Conceição Espanca

Nasceu: 8/12/1894
Vila Viçosa - Portugal
Suicidou-se em 8/12/1930 em Matosinhos - Portugal

Fernando Pessoa, em um poema datilografado e não datado de nome "À memória de Florbela Espanca", descreve-a como "«alma sonhadora / Irmã gêmea da minha!»".

Florbela Espanca estudou em Évora, onde concluiu em 1917 o curso liceu, matriculando-se na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. É por essa altura que publica as suas primeiras poesias. Tendo casado várias vezes e tendo sido em todas elas infeliz, começou a consumir estupefacientes. Só depois da sua morte é que a poetiza viria a ser conhecida do grande público, tendo contribuído para isso a publicação de Charneca em Flor (1930) pelo professor italiano Guido Batelli.

SAIBA MAIS >> AQUI

ou copie e cole o endereço no seu navegador:
www.avozdapoesia.com.br/florbelaespanca

sábado, 19 de setembro de 2009

Claude_Theberge_Amour
                                            Claude Theberge

I – GOSTO DE TI
Florbela Espanca

Gosto de ti apaixonadamente,
De ti que és a vitória, a salvação,
De ti que me trouxeste pela mão
Até ao brilho desta chama quente.

A tua linda voz de água corrente
Ensinou-me a cantar... e essa canção
Foi ritmo nos meus versos de paixão,
Foi graça no meu peito de descrente.

Bordão a amparar minha cegueira,
Da noite negra o mágico farol,
Cravos rubros a arder numa fogueira!

E eu, que era neste mundo uma vencida,
Ergo a cabeça ao alto, encaro o sol!
- Águia real, apontas-me a subida!

©Florbela Espanca
In Charneca em flor, 1931

+ FLORBELA ESPANCA >> AQUI

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

avp_narfe

NARDÉLIO FERNANDES LUZ
(Fantasma_MG)

O escritor e poeta Nardélio Fernandes Luz é autodidata. Nasceu em 06/01, na pequena Pratinha, no interior de Minas Gerais, mas é radicado em Uberlândia desde a adolescência. Exerceu as profissões de funileiro e soldador industrial até 1998, quando aos 31 anos mergulhou em um rio raso e fraturou a cervical, tendo como sequela uma lesão medular irreversível, que o deixou tetraplégico. Descobriu o amor pela literatura ainda na infância e, embora tenha escrito inúmeras cartas e outros textos na juventude sonhadora, levava uma vida corrida e só tomou verdadeiramente o gosto pela escrita, com o tempo proporcionado pela paralisia.

Para saber mais do poeta clique aqui > A VOZ DA POESIA

ou copie e cole no seu navegador:
http://www.avozdapoesia.com.br/nardeliofernandesluz

segunda-feira, 14 de setembro de 2009
Intimate_Dress
                                                          Pintura de Pino Daeni

ESTA MANHÃ ENCONTREI O TEU NOME
Maria do Rosário Pedreira

 
Esta manhã encontrei o teu nome nos meus sonhos
e o teu perfume a transpirar na minha pele. E o corpo
doeu-me onde antes os teus dedos foram aves
de verão e a tua boca deixou um rasto de canções.

No abrigo da noite, soubeste ser o vento na minha
camisola; e eu despi-a para ti, a dar-te um coração
que era o resto da vida - como um peixe respira
na rede mais exausta. Nem mesmo à despedida

foram os gestos contundentes: tudo o que vem de ti
é um poema. Contudo, ao acordar, a solidão sulcara
um vale nos cobertores e o meu corpo era de novo
um trilho abandonado na paisagem. Sentei-me na cama

e repeti devagar o teu nome, o nome dos meus sonhos,
mas as sílabas caíam no fim das palavras, a dor esgota
as forças, são frios os batentes nas portas da manhã.
domingo, 13 de setembro de 2009

Hoje o carinho especial vai para Rosany Costa (Plenytude): SAÚDE, PAZ, AMOR E POESIA. Sempre!

Feliz Aniversário!

brinde

E Vinicius de Moraes, para não perder o costume:

SONETO DE ANIVERSÁRIO

Passem-se dias, horas, meses, anos
Amadureçam as ilusões da vida
Prossiga ela sempre dividida
Entre compensações e desenganos.

Faça-se a carne mais envilecida
Diminuam os bens, cresçam os danos
Vença o ideal de andar caminhos planos
Melhor que levar tudo de vencida.

Queira-se antes ventura que aventura
À medida que a têmpora embranquece
E fica tenra a fibra que era dura.

E eu te direi: amiga minha, esquece...
Que grande é este amor meu de criatura
Que vê envelhecer e não envelhece.

Rio de Janeiro, 1942
in Antologia Poética
in Livro de Sonetos
in Poesia completa e prosa: "Poesia varia"

terça-feira, 8 de setembro de 2009
narafranca
                                                             Foto de Nara França
A ÚNICA NUVEM
Luísa Ribeiro

A única nuvem que existe está
sobre o meu pátio — esquadria
da minha pele por escurecer. O tempo

não vibra a meu favor não apanha as estrelas
imaginadas para ti nem recolhe as flores
selvagens do teu sangue

permanece a nuvem e eu existo
no trapézio das tuas perigosas mãos.
domingo, 6 de setembro de 2009

Reportagem feita pela Globo sobre canção de Raul Seixas revivida pelo produtor musical Marco Mazzola, feita em 74 que foi barrada pela ditadura militar.

GOSPEL
Raul Seixas 
Arranjos: Frejat com voz do Raul Seixas
Composição: Raul Seixas

Por que que o sol nasceu de novo e não amanheceu?
Por que que tanta honestidade no espaço se perdeu?
Por que que o Cristo não desceu lá do céu e o veneno só tem gosto de mel?
Por que que a água não matou a sede de quem bebeu?

Por que que eu passo a vida inteira com medo de morrer?
Por que que os sonhos foram feitos pra gente não viver?
Por que que a sala fica sempre arrumada se ela passa o dia inteiro fechada?
Por que que eu tenho a caneta e não consigo escrever? (Escrever)

Por que que existem as canções que ninguém quer cantar?
Por que que sempre a solidão vem junto com o luar?
Por que que aquele que você quer também já tem sempre ao teu lado outro alguém?
Por que que eu gasto tempo sempre sempre a perguntar? (A perguntar)

Por que que eu passo a vida inteira com medo de morrer?
Por que que os sonhos foram feitos pra gente não viver?
Por que que a sala fica sempre arrumada se ela passa o dia inteiro fechada?
Por que que eu tenho a caneta e não consigo escrever? (Escrever)

Por que que existem as canções que ninguém quer cantar?
Por que que sempre a solidão vem junto com o luar?
Por que que aquele que você quer também já tem sempre ao teu lado outro alguém?
Por que que eu gasto tempo sempre sempre a perguntar? (A perguntar)


Album do Picasa com 40 imagens lindas, no tamanho 1920x1200.
Entre e escolha a sua preferida, ou baixe todas!

sexta-feira, 4 de setembro de 2009


Até Quem Sabe?
Intérprete: Leila Pinheiro
Comp.: João Donato e Lysias Enio

até um dia até talvez
até quem sabe?
até voce sem fantasia
sem mais saudade

agora a gente tão derrepente
nem mais se entende
nem mais pretende
seguir fugindo
seguir-se rindo

agora vou pra onde for
sem mais voce
sem me querer
sem nem mesmo ser
sem entender

vou me beber, vou me perder pela cidade
até um dia, até talvez... até quem sabe?

a_pipa_Robert Portoqua
                                             Robert Portoqua*
CONVITE
José Paulo Paes

Poesia
é brincar com palavras
como se brinca
com bola, papagaio, pião.

Só que
bola, papagaio, pião
de tanto brincar
se gastam.

As palavras não:
quanto mais se brinca
com elas
mais novas ficam.

Como a água do rio
que é água sempre nova.

Como cada dia
que é sempre um novo dia.

Vamos brincar de poesia?




José Paulo Paes nasceu em Taquaritinga SP, em 1926.
Toda sua obra poética foi reunida, em 1986, sob o título Um por todos.
Em 1987 dirigiu uma oficina de tradução de poesia na UNICAMP. Faleceu no dia 09.10.1998

* imagem: Robert Portoquá
sob licença
quarta-feira, 2 de setembro de 2009

A Voz da Poesia apresenta hoje o poeta mineiro

 ABGAR RENAULT
 

Professor, político, poeta, ensaísta e tradutor
Nasceu em 15/04/1901
Cidade: Barbacena - Estado: Minas Gerais
Faleceu: 31/12/1995 no Rio de Janeiro - RJ

"Vós, poetas, não sabeis o amargo de ser ou não ser poeta quando o mundo em dor se alarga e em água se reduz e cintila, quando o amor em nossa carne viva morde a sua garra ou seta, ou quando, na hora mais morta da noite, entre mar e mar, a vida só existe no olhar intenso da treva a escrutar dentro da insônia grávida o que fizemos da nossa vida."

Visite a página do poeta >> AQUI 

ou copie e cole no navegador:
http://www.avozdapoesia.com.br/abgarrenault/index.php

 

Sinal Fechado
Interp.: Simone e Dulce Pontes

Composição: Paulinho da Viola

Olá, como vai?
Eu vou indo e você, tudo bem?
Tudo bem eu vou indo correndo
Pegar meu lugar no futuro, e você?
Tudo bem, eu vou indo em busca
De um sono tranquilo, quem sabe...
Quanto tempo... pois é...
Quanto tempo...
Me perdoe a pressa
É a alma dos nossos negócios
Oh! Não tem de quê
Eu também só ando a cem
Quando é que você telefona?
Precisamos nos ver por aí
Pra semana, prometo talvez nos vejamos
Quem sabe ?
Quanto tempo... pois é... (pois é... quanto tempo...)
Tanta coisa que eu tinha a dizer
Mas eu sumi na poeira das ruas
Eu também tenho algo a dizer
Mas me foge a lembrança
Por favor, telefone, eu preciso
Beber alguma coisa, rapidamente
Pra semana
O sinal...
Eu espero você
Vai abrir...
Por favor, não esqueça,
Adeus...

Related Posts with Thumbnails

Poética

Poesias

Poetas

Vídeos

A Voz aqui

Pergunte-me

Me leva!

A Poética dos Amigos

Google+

Feed

Posts Coments

Receber postagens por E-mail

Carregando...

Perdi todos :'(

Arquivos