sábado, 30 de agosto de 2008

 kima112
                                       imagem: Kim Anderson

Tu eras também uma pequena folha
que tremia no meu peito.
O vento da vida pôs-te ali.
A princípio não te vi: não soube
que ias comigo,
até que as tuas raízes
atravessaram o meu peito,
se uniram aos fios do meu sangue,
falaram pela minha boca,
floresceram comigo.

[A princípio não te vi: não soube que ias comigo...  - Pablo Neruda]

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

olhando_ceu_2 
                                          imagem da internet

Algumas palavras se perdem
Quando o sonho invade
O território do factível.
Carrego no bolso
Vocábulos esféricos
De superfície instável
E essência vária.
O asfalto me observa
Com a mesma pretensão
Com a qual as crianças
Dão formas
às nuvens.
Ruas me atravessam
E desconhecem as asas
De minha alma:
O óbvio me perdeu
Pela ausência de sombras e pegadas.
Teu sorriso, entre nuvens,
Rege meu itinerário:
Traço que risco
De olhos cerrados e coração desnudo.
Talvez a realidade exija resgate
Pela peça essencial de sua engrenagem,
Mas não te preocupes,
Pois as palavras nascidas da alma
Escorrem das mãos da realidade
E não sabem descansar sob
Olhos desacreditados.
Por isso viajo sem pegadas,
Apenas nuvens, estrelas, teu sorriso
E a possibilidade do improvável
Suspenso pelas intangíveis
Cordas da liberdade.
O amanhã?
Que venha o amanhã
Com seu arsenal de cores e sabores.
Para ele criarei novas palavras
E tecerei novos sonhos.

[Anderson Christofoletti]




ESSE AMOR
Comp.: Roger Henri /Dudu Falcão
Interp.: Danilo Caymmi

O amor nos pegou
E o amor é assim
Como a dor pelo avesso
Um desejo sem fim

Seu olhar me jurou
Vi olhar só pra mim
E que mesmo negando
Me dizia que sim

Esse amor já conhece o segredo
O caminho do seu coração
Não adianta fugir
Nem esconder
As marcas da paixão
Não adianta fugir
Nem se esconder
Entre o amor e a razão.
quinta-feira, 28 de agosto de 2008
claridade_53

 ERAS TU A CLARIDADE
José Luis Peixoto


O tempo, subitamente solto pelas ruas e pelos dias,
como a onda de uma tempestade a arrastar o mundo,
mostra-me o quanto te amei antes de te conhecer.
Eram os teus olhos, labirintos de água, terra, fogo, ar,
que eu amava quando imaginava que amava.
Era a tua voz que dizia as palavras da vida.
Era o teu rosto, era a tua pele.
Antes de te conhecer, existias nas árvores e nos
montes e nas nuvens que olhava ao fim da tarde.
Muito longe de mim, dentro de mim, eras tu a claridade.


Imagem da Internet, via Google

Ex_Animo 
                                     imagem: Tomasz  Rut

Aquele que amo
Disse-me
Que precisa de mim.
Por isso
Cuido de mim
Olho meu caminho
E receio ser morta
Por uma só gota de chuva.

[Para ler de manhã e à noite - Bertold Brecht ]

terça-feira, 26 de agosto de 2008

rouxinol                                                             imagem da internet

Um Poeta é um rouxinol que se senta na escuridão e canta para se confortar da própria solidão com
belos sons;
seus ouvintes são como homens arrebatados pela melodia de um músico invisível,
que se sentem comovidos e em paz,
ainda que não saibam como nem porque.

[Interlúdio...  - Percy Bysshe Shelley]

Sinto a chama de teu corpo
Ardendo em cada instante
De memória que me aflora,
Em cada momento que furtei
Do passado
E que trago em meu presente.

A tua gota de desejo
Inundou meu universo,
Carregando consigo
Toda a tua leitura:
Espinho, pétala,
Chama e candura.

Entrega.
Uma só volúpia.
Um só corpo.
Viagem imprevista
Pela parte que nos completa.
Teu íntimo:
Segredo que me invade
E explode feito necessidade
Louca de mais e mais você.

Em minha boca
O néctar das horas
incandescentes;
O bálsamo de tua essência
ardente.
O tempo
Que não se consumiu
Eternizou-se em minhas veias
E pulsa, agora, em minhas mãos.
Espraiando-se no papel
Em páginas de confissão,
Por linhas humanas
Que me entrega o coração.

Florescência do querer tácito,
Do desejo velado pela sombra
inconsciente
E varado pela inefável fusão de
dois corpos.

A razão violada pela magia do desatino.
A depuração que nos torna amor
E nos furta as rédeas do destino.

[Versos a uma rosa vermelha - ©Anderson Christofoletti]

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

olhar_solitario
imagem da internet

Permita que eu feche os meus olhos,
pois é muito longe e tão tarde!
Pensei que era apenas demora,
e cantando pus-me a esperar-te.

Permite que agora emudeça:
que me conforme em ser sozinha.
Há uma doce luz no silêncio,
e a dor é de origem divina.

Permite que eu volte o meu rosto
para um céu maior que este mundo,
e aprenda a ser dócil no sonho
como as estrelas no seu rumo.

[Serenata - Cecília Meireles]

amantes_1 
                                                       imagem: da internet

Era como uma árvore da terra nascida
Confundindo com o ardor da terra a sua vida,
E no vasto cantar das marés cheias
Continuava o bater das suas veias.

Criados à medida dos elementos
A alma e os sentimentos
Em si não eram tormentos
Mas graves, grandes, vagos,
Lagos
Reflectindo o mundo,
E o eco sem fundo
Da ascensão da terra nos espaços
Eram os impulsos do seu peito
Florindo num ritmo perfeito
Nos gestos dos seus braços.

[O primeiro homem - Sophia de Mello Breyner Andresen]

sábado, 23 de agosto de 2008

Duas taças –  by Edna Medici  
   imagem: Edna Medici

Eu bebo a Vida, a Vida, a longos tragos
Como um divino vinho de Falerno!
Poisando em ti o meu amor eterno
Como poisam as folhas sobre os lagos…

Os meus sonhos agora são mais vagos…
O teu olhar em mim, hoje, é mais terno…
E a Vida já não é o rubro inferno
Todo fantasmas tristes e pressagos!

A vida, meu Amor, quer vivê-la!
Na mesma taça erguida em tuas mãos,
Bocas unidas hemos de bebê-la!

Que importa o mundo e as ilusões defuntas?…
Que importa o mundo e seus orgulhos vãos?…
O mundo, Amor?… As nossas bocas juntas!…

[O Nosso Mundo - Florbela Espanca]


O poeta toma a parte pelo todo,
O acidente pela essência.

Mergulha no que há de mais casto
E intenso nos corações alheios.

Ele não é fundamentalmente desejo de ser,
Mas apodera-se da falta que lhe punge
E transforma-a em alento.

Deseja sim, as palavras que não escreveu.
Regozija-se com os versos que a vida sentiu
E que o tempo imprimiu.

Ama,
Ama o ponto ausente
Que, em tempo presente,
Sua amada escondeu...

©Anderson Christofoletti
Registrada na BN

quinta-feira, 21 de agosto de 2008






AI
COMP.: Tata Fernandes e Kléber Albuquerque
Interprete: Rubi 

Deu meu coração de ficar dolorido
Arrasado num profundo pranto
Deu meu coração de falar esperanto
Na esperança de ser compreendido

Deu meu coração equivocado
Deu de desbotar o colorido
Deu de sentir-se apagado
Desiluminado
Desacontecido

Deu meu coração de ficar abatido
De bater sem sentido
Meu coração surrado
Deu de arrancar o curativo
Deu de cutucar o machucado

Deu de inventar palavra
Pra curar de significado
O escuro aço denso do silêncio
No coração trespassado



Eu te amo - disse.
E o mundo despencou-lhe nas costas
Não havia de sofer tanto
O mundo pesa sobre o amor
leveza da pena no espaço
E se teu amor - por mais pedra - não voar
liberta tuas costas do peso que não carregas
Se teu amor - por mais pena - não mergulhar
Vai-te banhar
e olha-te no olhar que não te cega
Se teu amor te pesa
mais que o mundo que carregas
degela-o e deixa-o beber os deltas



Deu meu coração de ficar abatido
De bater sem sentido
Meu coração surrado
Deu de arrancar o curativo
Deu de cutucar o machucado

Deu de inventar palavra
Pra curar de significado
O escuro aço denso do silêncio
No coração trespassado.
quarta-feira, 20 de agosto de 2008

 rss_icon_glass_gray24 Posts rss_icon_glass_gray16 Coments

terça-feira, 19 de agosto de 2008
poetica_e_cotidiana

POÉTICA E COTIDIANA
A.B.
(para Sereníssima)

Regularmente fora das regras
Leve
Rápida como fogo
Queima como água
Invade como convite
Se revela aos poucos
Como quem desvenda
a si própria, no instante
E se desfaz como quem parte
e fica, como quem sempre falta.
domingo, 10 de agosto de 2008

                       FELIZ DIA DOS PAIS! escultura_abraco                                                 Escultura de Cibele Krukoski


SOBRE O ABRAÇO
ANA CLÁUDIA SALDANHA JÁCOMO

O pai pega a menina no colo e os dois se abraçam. Observo, sentada próxima à mesa onde estão. Coisa bem bolada essa dos braços se encaixarem. Uma possibilidade tão perfeita que parece que já foram imaginados também com esse propósito. Mas o melhor do abraço não é a idéia dos braços facilitarem o encontro dos corpos. O melhor do abraço é a sutileza dele. A mística dele. A poesia. O segredo de literalmente aproximar um coração do outro para conversarem no silêncio que dá descanso à palavra. O silêncio onde tudo é dito sem que nenhuma letra precise se juntar à outra. O melhor do abraço é o charme de fazer com que a eternidade caiba em segundos. A mágica de possibilitar que duas pessoas visitem o céu no mesmo instante.

A menina e o pai se abraçam. Nenhum dos dois percebe que o meu olhar filma a cena. É bom sinal que não percebam, porque no abraço bem fruído as duas vidas se ocupam de contemplar somente a paisagem que compartilham. Os olhos se tornam surdos para qualquer registro que esteja fora do ambiente construído. Talvez seja por isso que costumamos fechar os olhos quando abraçamos: para abri-los para dentro. Quando inclui o sentimento, o abraço é um portal que dá acesso às regiões mais arborizadas do coração da gente. Lá onde cantam passarinhos. Lá onde voam borboletas. Lá onde se respira grande sem ter a alma contraída. Lá onde experimentamos o amor ensolarado, por mais nuvens encharcadas de medo que também existam em nós.

A menina abraça o pai e repousa o rosto em seu ombro. Eu reparo a delicadeza com que ela o faz. Nada nela parece desejar retê-lo. Nada nela parece querer que aquele encontro dure mais do que o tempo que puder durar. Ela parece saber que o abraço não precisa ser demorado para ser longo. Se plenamente sentido, o seu efeito é duradouro. A energia que produz é capaz de circular por tempo indefinido nas vidas que o experimentam. E, depois, pode ser acionada a qualquer momento no lugar da memória onde são guardadas as belezas que não perdem o frescor.

A menina adormece abraçada ao pai. Ele se movimenta vagarosamente de um lado para o outro, sob o ritmo de uma música que somente ele ouve e que ela deve sentir em algum lugar do seu sonho. Ainda atenta ao espetáculo amoroso que assisto sem que ninguém perceba, curto a felicidade de não ter o coração curtido. De poder me aquietar para ouvir aquele poema escrito pelos gestos. Nem todos os abraços se transformam em sono e isso é tão verdadeiro quanto a constatação de que todos os genuínos oferecem repouso. Armam redes na alma da gente, onde as emoções se deitam e balançam aconchegadas. Não há lugar algum para onde ir enquanto acontecem. Apenas ficar ali, dentro deles, e dividir esse conforto.

Adormecida no abraço do pai, a menina o envolve com seus braços, dois pequenos laços de fita morenos. O abraço é também isso: um presente que duas vidas oferecem uma a outra e desembrulham juntas. Pago a conta e saio do restaurante. Tarde bonita, um bocado de sol ainda pousado na tranqüilidade da Lagoa. Sigo em direção ao meu destino com o coração enternecido, sintonizada com a suavidade das lembranças afetivas que aquela cena trouxe à tona. E grata, muito grata, por num tempo de tantas feiúras, ainda ser capaz de admirar a beleza preciosa de um abraço de amor.


Fonte: http://anajacomo.blogspot.com

Related Posts with Thumbnails

Poética

Poesias

Poetas

Vídeos

A Voz aqui

Pergunte-me

Me leva!

A Poética dos Amigos

Google+

Feed

Posts Coments

Receber postagens por E-mail

Carregando...

Perdi todos :'(

Arquivos