terça-feira, 10 de março de 2009

nenem_conversando
imagem da internet

Conversa entre dois bebês.

- E aí, véio?
- Beleza, cara?
- Ah, mais ou menos. Ando meio chateado com algumas coisas.
- Quer conversar sobre isso?
- É a minha mãe. Sei lá, ela anda falando umas coisas estranhas...
Me botando um terror, sabe?
- Como assim?
- Por exemplo: há uns dias, antes de dormir, ela veio com um papo doido aí.
Mandou eu dormir logo senão uma tal de Cuca ia vir me pegar. Mas eu nem sei quem é essa Cuca, pô!!!
O que eu fiz pra essa mina querer me pegar? Você me conhece desde que eu nasci, já me viu mexer com alguém?
- Nunca.
- Pois é. Mas o pior veio depois.
O papo doido continuou: minha mãe disse que quando a tal da Cuca viesse, eu ia tá sozinho, porque meu pai tinha ido pra roça e minha mãe passear.
Mas tipo, o que meu pai foi fazer na roça?
E mais: como minha mãe foi passear se eu tava vendo ela ali na minha frente?
Será que eu sou adotado, cara???
- Sabe a sua vizinha ali da casa amarela? Minha mãe diz que ela tem uma hortinha no fundo do quintal.
Planta vários legumes. Será que sua mãe não quis dizer que seu pai deu um pulo por lá?
- Hmmmm. Pode ser. Mas o que será que ele foi fazer lá?
VIXE! Será que meu pai tem um caso com a vizinha?
- Como assim, véio?
- Pô, ela deixou bem claro que a minha mãe tinha ido passear.
Então ela não é minha mãe. Se meu pai foi na casa da vizinha, vai ver eles dois tão de caso.
Ele passou lá, pegou ela e os dois foram passear. É isso, cara. Eu sou filho da vizinha. Só pode!!!
- Calma, maninho. Você tá nervoso e não pode tirar conclusões precipitadas!

- Sei lá.. Por um lado, pode até ser melhor assim, viu? Fiquei sabendo de umas coisas estranhas sobre a minha mãe...
- Tipo o quê?!
- Ela me contou um dia desses, que pegou um pau e atirou num gato!! Assim, do nada!
Puta maldade, meu! Vê se isso é coisa que se faça com um bichaninho!!!
- Caramba! Mas por que ela fez isso?
- Pra matar o gato!! Pura maldade mesmo! Mas parece que o gato não morreu.
- Ainda bem! Pô, sua mãe é perturbada, cara!!!
- E sabe a Francisca ali da esquina?
- A Dona Chica? Sei sim... o que tem ela?
- Parece que ela tava junto na hora e não fez nada...
Só ficou lá, paradona, admirada, vendo o gatinho berrar de dor!!
- Putz grila! Esses adultos às vezes fazem cada coisa que não dá pra entender!!!!!
- Pois é... Vai ver é até melhor ela não ser minha mãe, né? Ela me contou isso de boa, cantando, sabe?
Como se estivesse feliz por ter feito essa selvageria... Um absurdo!!
E eu percebo também que ela não gosta muito de mim. Esses dias ela ficou tentando me assustar, fazendo um monte de careta...
Eu não achei legal, né... Aí, ela começou a falar que ia chamar um boi com cara preta pra me levar embora!
- Nossa, véio! Com certeza ela não é sua mãe!! Nunca que uma mãe ia fazer isso com o filho!!
- Mas é ruim saber que o casamento deles é essa zona, né?... Que meu pai sai com a vizinha e tal.
Apesar que eu acho que ele também leva uns chifres, sabe?
Um dia ela me contou que lá no bosque do final da rua mora um cara, que eu imagino que deva ser muito bonitão, porque ela chama ele de "Anjo". E ela disse que o tal do Anjo roubou o coração dela.
Ela até falou um dia que se fosse a dona da rua, mandava colocar ladrilho em tudo, só pra ele pode passar desfilando e tal...
- Nossa, que casamento bagunçado esse... Era melhor separar logo.
- É. só sei que tô cansado desses papos doidos dela, sabe? Às vezes ela fala algumas coisas sem sentido nenhum.
Ontem mesmo veio me falar que a vizinha cria perereca em gaiola, cara. Vê se pode? Só tem louco nessa rua!!!!
- Ixi, cara!... Mas a vizinha não é sua mãe?!
- Putz, é mesmo!!... Tô ferrado de qualquer jeito...

(Desconheço a autoria... mas não tinha como não compartilhar!)

Alas_de_Mariposa_Anthony_Ross
                                                  Imagem: Antonhy Ross

AS RAIZES DO NOSSO AMOR
Geraldo Bessa Victor

Amo-te porque tudo em ti me fala de África,
duma forma completa e envolvente.
Negra, tão negramente bela e moça,
todo o teu ser me exprime a terra nossa,
em nós presente.

Nos teus olhos eu vejo, como em caleidoscópio,
madrugadas e noites e poentes tropicais,
- visão que me inebria como um ópio,
em magia de místicos duendes,
e me torna encantado. (Perguntaram-me: onde vais?
E não sei onde vou, só sei que tu me prendes...)

A tua voz é, tão perturbadoramente,
a música dolente dos quissanges tangidos
em noite escura e calma,
que vibra nos meus sentidos
e ressoa no fundo da minh'alma.

Quando me beijas sinto que provo ao mesmo tempo
o gosto do caju, da manga e da goiaba,
- sabor que vai da boca até às vísceras
e nunca mais acaba...

O teu corpo, formoso sem disfarce,
com teu andar dengoso, parece que se agita
tal como se estivesse a requebrar-se
nos ritmos da massemba e da rebita.
E sinto que teu corpo, em lírico alvoroço,
me desperta e me convida
para um batuque só nosso,
batuque da nossa vida.

Assim, onde te encontres (seja onde estiveres,
por toda a parte onde o teu vulto fôr),
eu te descubro e elejo entre as mulheres,
ó minha negra belamente preta,
ó minha irmã na cor,
e, de braços abertos para o total amplexo,
sem sombra de complexo,
eu grito do mais fundo da minh'alma de poeta:
- Meu amor! Meu amor!


SOBRE O AUTOR:
Poeta e contista Geraldo Bessa Victor nasceu em Luanda, Angola, no dia 20 de Janeiro de 1917 e faleceu no ano de 1990, Lisboa, sua segunda Pátria. É autor dos livros “Ecos dispersos”, 1941; “Ao som das marimbas”, 1943; “Debaixo do céu”, 1949, “A restauração de Angola”, 1951; “Cubata abandonada”, 1958, “Mucanda”, 1964; “Monandengue”, 1973, ano em que anunciou o término de sua carreira de escritor.
Para Manuel Bandeira que prefaciou o livro “Cubata abandonada” (1958), sem qualquer dúvida, considera que: “Geraldo Bessa Victor recolheu o melhor das mais autênticas vozes de África. Vozes que ele terá ouvido junto às Pedras Negras de Pungo Andongo, conversando com os ventos, os montes, os rios, as velhas mulembas, que lhe falavam de histórias do Quinjango e da Rainha Ginga.”. Mais acrescenta que: “A sua poesia sabe violentamente a África, mas não fica apenas nas exterioridades da terra e sua gente: desce-lhes às recônditas matrizes, penetra-lhe o formidável subconsciente.”
Fonte: colegiosaofrancisco.com.br

Edilson_Lima
             Imagem: Edilson Lima > allyoucanupload.webshots.com

ESSE TEXTO É DIVULGADO EM SITES, BLOGS, EMAILS E VIDEOS COMO SENDO DE FERNANDO PESSOA.

A AUTORA É SILVANA DUBOC. PESQUISADO E CONFIRMADO 
AQUI >>
AFINAL, QUEM É O AUTOR?

NAVEGUE
SILVANA DUBOC

Navegue,
descubra tesouros, mas não os tire do fundo do mar,
o lugar deles é lá.
Admire a lua,
sonhe com ela, mas não queira trazê-la para a terra.

Curta o sol,
se deixe acariciar por ele,
mas lembre-se que o seu calor é para todos.
Sonhe com as estrelas,
apenas sonhe, elas só podem brilhar no céu.

Não tente deter o vento,
ele precisa correr por toda parte,
ele tem pressa de chegar sabe-se lá onde.
Não apare a chuva,
ela quer cair e molhar muitos rostos,
não pode molhar só o seu.

As lágrimas?
Não as seque, elas precisam correr na minha,
na sua, em todas as faces.
O sorriso!
Esse você deve segurar, não deixe-o ir embora, agarre-o!
Quem você ama?
Guarde dentro de um porta-jóias, tranque, perca a chave!
Quem você ama é a maior jóia que você possui,
a mais valiosa.

Não importa se a estação do ano muda,
se o século vira,
se o milênio é outro, se a idade aumenta;
conserve a vontade de viver,
não se chega à parte alguma sem ela.

Abra todas as janelas
que encontrar, e as portas também.
Persiga um sonho,
mas não deixe ele viver sozinho.
Alimente sua alma
com amor, cure suas feridas com carinho.

Descubra-se todos os dias,
deixe-se levar pelas vontades,
mas não enlouqueça por elas.
Procure,
sempre procure o fim de uma história,
seja ela qual for.

Dê um sorriso
para quem esqueceu como se faz isso.
Acelere seus pensamentos,
mas não permita que eles te consumam.
Olhe para o lado,
alguém precisa de você.

Abasteça seu coração de fé,
não a perca nunca.
Mergulhe de cabeça
nos seus desejos, e satisfaça-os.
Agonize de dor
por um amigo,
só saia dessa agonia se conseguir tirá-lo também.

Procure os seus caminhos,
mas não magoe ninguém nessa procura.
Arrependa-se,
volte atrás, peça perdão!
Não se acostume
com o que não o faz feliz,
revolte-se quando julgar necessário.

Alague
seu coração de esperanças,
mas não deixe que ele se afogue nelas.
Se achar
que precisa voltar, volte!
Se perceber
que precisa seguir, siga!

Se estiver tudo errado,
comece novamente.
Se estiver tudo certo,
continue.
Se sentir saudades,
mate-a.
Se perder um amor,
não se perca!

Se achá-lo, segure-o!
Caso sinta-se só,
olhe para as estrelas: eu sempre estarei nelas.
Não estão ao seu alcance
mas estarão eternamente brilhando para você!


ESSE TEXTO É DIVULGADO EM SITES E BLOGS, EMAIL E VIDEOS COMO SENDO DE FERNANDO PESSOA.

A AUTORA É SILVANA DUBOC. PESQUISADO E CONFIRMADO >> AFINAL, QUEM É O AUTOR?

Related Posts with Thumbnails

Poética

Poesias

Poetas

Vídeos

A Voz aqui

Me leva!

A Poética dos Amigos

Google+

Feed

Posts Coments

Receber postagens por E-mail

Perdi todos :'(

Arquivos