sábado, 30 de abril de 2011

DESPEDIDAS
Affonso Romano de Sant'Anna

Começo a olhar as coisas
como quem, se despedindo, se surpreende
com a singularidade
que cada coisa tem
de ser e estar.

Um beija-flor no entardecer desta montanha
a meio metro de mim, tão íntimo,
essas flores às quatro horas da tarde, tão cúmplices,
a umidade da grama na sola dos pés, as estrelas
daqui a pouco, que intimidade tenho com as estrelas
quanto mais habito a noite!

Nada mais é gratuito, tudo é ritual
Começo a amar as coisas
com o desprendimento que só têm
os que amando tudo o que perderam
já não mentem.

____d011ge5_divider[1]

Leia mais do autor > A Voz da Poesia
Imagem da Internet, via Google, sem ident. do autor

quinta-feira, 28 de abril de 2011

POEMA DA ROSA
Poesia: Berthold Brecht
Música e Voz: Jards Macalé
Tradução: Augusto Boal

Há uma rosa linda no meio do meu jardim
Dessa rosa cuido eu, quem cuidará de mim?
De manhã desabrochou, a tarde foi escolhida
pra de noite ser levada de presente à minha amiga

Feliz de quem possui uma rosa em seu jardim
A minha amiga com certeza pensa agora só em mim
Quando sopra o vento frio e o inverno gela o jardim
Eu tenho calor em casa e fico quietinho assim

Feliz de quem tem o seu teto pra ajudar a sua amiga
a fugir do vento ruim que deixa gelado o jardim.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

A história do “Quase” está contada tim-tim por tim-tim no Blog do Emílio. Jornalista que investiga – e desvenda – falsas autorias. 
Veríssimo publicou no Jornal Zero Hora uma crônica para esclarecer que não é o autor desse texto. (leia ao final do post)

image
Sarah Westphal


QUASE
Autora: Sarah Westphal

Ainda pior que a convicção do não e a incerteza do talvez é a desilusão de um quase.

É o quase que me incomoda, que me entristece, que me mata trazendo tudo que poderia ter sido e não foi.

Quem quase ganhou ainda joga, quem quase passou ainda estuda, quem quase morreu está vivo, quem quase amou não amou.

Basta pensar nas oportunidades que escaparam pelos dedos, nas chances que se perdem por medo, nas idéias que nunca sairão do papel por essa maldita mania de viver no outono.

Pergunto-me, às vezes, o que nos leva a escolher uma vida morna; ou melhor, não me pergunto, contesto. A resposta eu sei de cor, está estampada na distância e frieza dos sorrisos, na frouxidão dos abraços, na indiferença dos "Bom dia", quase que sussurrados. Sobra covardia e falta coragem até pra ser feliz.

A paixão queima, o amor enlouquece, o desejo trai.

Talvez esses fossem bons motivos para decidir entre a alegria e a dor, sentir o nada, mas não são. Se a virtude estivesse mesmo no meio termo, o mar não teria ondas, os dias seriam nublados e o arco-íris em tons de cinza.

O nada não ilumina, não inspira, não aflige nem acalma, apenas amplia o vazio que cada um traz dentro de si.

Não é que fé mova montanhas, nem que todas as estrelas estejam ao alcance, para as coisas que não podem ser mudadas resta-nos somente paciência porém, preferir a derrota prévia à dúvida da vitória é desperdiçar a oportunidade de merecer.

Pros erros há perdão; pros fracassos, chance; pros amores impossíveis, tempo.

De nada adianta cercar um coração vazio ou economizar alma. Um romance cujo fim é instantâneo ou indolor não é romance.

Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que o medo impeça de tentar.

Desconfie do destino e acredite em você. Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando porque, embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu.


Fonte: >> DAQUI

Texto de LFV publicado no jornal ZH em 24/03/2005

Presque
Luis Fernando Veríssimo

A internet é uma maravilha, a internet é um horror. Não sei como a Humanidade pôde viver tanto tempo sem o e-mail e o Google, não sei o que será da nossa privacidade e da nossa sanidade quando só soubermos conviver nesse cyberuniverso assustador. O mais admirável da internet é que tudo posto nos seus circuitos acaba tendo o mesmo valor, seja receita de bolo ou ensaio filosófico, já que o meio e o acesso ao meio são absolutamente iguais. O mais terrível é que tudo acaba tendo a mesma neutralidade moral, seja pregação inspiradora ou pregação racista — ou receita de bomba — já que a linguagem técnica é a mesma e a promiscuidade das mensagens é incontrolável. Não temos nem escolha entre o admirável e o terrível, pois acima de qualquer outra coisa a internet, hoje, é inevitável.

Uma das incomodações menores da internet, além das repetidas manifestações que recebo de uma inquietante preocupação, em algum lugar, com o tamanho do meu pênis, é o texto com autor falso, ou o falso texto de autor verdadeiro. Ainda não entendi o recado ou a estranha lógica de quem inventa um texto e põe na internet com o nome de outro, mas o fato é que os ares estão cheios de atribuições mentirosas ou duvidosas. Já li vários textos com assinaturas improváveis na internet, inclusive vários meus que nunca assinei, ou assinaria. Um, que circulou bastante, comparava duplas sertanejas com drogas e aconselhava o leitor a evitar qualquer cantor saído de Goiânia, o que me valeu muita correspondência indignada. Outro era sobre uma dor de barriga desastrosa, que muitos acharam nojento ou, pior, sensacional. O incômodo, além dos eventuais xingamentos, é só a obrigação de saber o que responder em casos como o da senhora que declarou que odiava tudo que eu escrevia até ler, na internet, um texto meu que adorara, e que, claro, não era meu. Agradeci, modestamente. Admiradora nova a gente não rejeita, mesmo quando não merece.

O texto que encantara a senhora se chamava "Quase" e é, mesmo, muito bom. Tenho sido elogiadíssimo pelo "Quase". Pessoas me agradecem por ter escrito o "Quase". Algumas dizem que o "Quase" mudou suas vidas. Uma turma de formandos me convidou para ser seu patrono e na última página do caro catálogo da formatura, como uma homenagem a mim, lá estava, inteiro, o "Quase". Não tive coragem de desiludir a garotada. Na internet, tudo se torna verdade até prova em contrário e como na internet a prova em contrário é impossível, fazer o quê?

Eu gostaria de encontrar o verdadeiro autor do "Quase" para agradecer a glória emprestada e para lhe dar um recado. No Salão do Livro de Paris, na semana passada, ganhei da autora um volume de textos e versos brasileiros muito bem traduzidos para o francês, com uma surpresa: eu estava entre Clarice Lispector, Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira e outros escolhidos, adivinha com que texto. Em francês ficou Presque.

Fonte >> DAQUI

segunda-feira, 25 de abril de 2011

No teu poema
Letra e música: José Luís Tinoco
Intérprete: Paula Oliveira

No teu poema
existe um verso em branco e sem medida,
um corpo que respira, um céu aberto,
janela debruçada para a vida.

No teu poema existe a dor calada lá no fundo,
o passo da coragem em casa escura
e, aberta, uma varanda para o mundo.

Existe a noite,
o riso e a voz refeita à luz do dia,
a festa da Senhora da Agonia
e o cansaço
do corpo que adormece em cama fria.

Existe um rio,
a sina de quem nasce fraco ou forte,
o risco, a raiva e a luta de quem cai
ou que resiste,
que vence ou adormece antes da morte.

No teu poema
existe o grito e o eco da metralha,
a dor que sei de cor mas não recito
e os sonhos inquietos de quem falha.

No teu poema
existe um cantochão alentejano,
a rua e o pregão de uma varina
e um barco assoprado a todo o pano.

Existe um rio
a sina de quem nasce fraco ou forte,
o risco, a raiva e a luta de quem cai
ou que resiste,
que vence ou adormece antes da morte.

No teu poema
existe a esperança acesa atrás do muro,
existe tudo o mais que ainda escapa
e um verso em branco à espera de futuro.

sábado, 23 de abril de 2011

O Dia Internacional do Livro teve a sua origem na Catalunha, uma região semi-autônoma da Espanha.

A data começou a ser celebrada em 7 de outubro de 1926, em comemoração ao nascimento de Miguel de Cervantes, escritor espanhol. O escritor e editor valenciano, estabelecido em Barcelona, Vicent Clavel Andrés, propôs este dia para a Câmara Oficial do Livro de Barcelona.

Em 6 de fevereiro de 1926, o governo espanhol, presidido por Miguel Primo de Rivera, aceitou a data e o rei Alfonso XIII assinou o decreto real que instituiu a Festa do Livro Espanhol.

No ano de 1930, a data comemorativa foi trasladada para 23 de abril, dia do falecimento de Cervantes.

Mais tarde, em 1996, a UNESCO instituiu 23 de abril como o Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor, em virtude de a 23 de abril se assinalar o falecimento de outros escritores, como Josep Pla, escritor catalão, e William Shakespeare, dramaturgo inglês.

No caso do escritor inglês, tal data não é precisa, pois que em Inglaterra, naquele tempo, ainda utilizava o calendário juliano, pelo que havia uma diferença de 10 dias apara o calendário gregoriano usado em Espanha. Assim Shakespeare faleceu efectivamente 10 dias depois de Cervantes.

"Um país se faz com homens e livros."
(Monteiro Lobato)

"Livros são os mais silenciosos e constantes amigos; os mais acessíveis e sábios conselheiros; e os mais pacientes professores."
(Charles W. Elliot)

"É claro que meus filhos terão computadores, mas antes terão livros."
(Bill Gates)

"De três coisas precisa o homem para ser feliz: benção divina, livros e amigo."
(Henri Lacordaire),

"É bom ter livros de citações. Gravadas na memória, elas inspiram-nos bons pensamentos."
(Winston Churchill)

"Ainda acabo fazendo livros onde as nossas crianças possam morar."
(Monteiro Lobato)

"A leitura de um bom livro é um diálogo incessante: o livro fala e a alma responde."
(André Maurois)

"A leitura é uma amizade."
(Marcel Proust)

"A leitura é para a mente o que o exercício é para o corpo."
(Richard Steele)

"Que nunca o livro fique longe de tua mão e de teus olhos."
(São Jerônimo)

"...foi através da literatura que recebi a vida."
(Paulo Mendes Campos)


À Leon Werth

Peço perdão às crianças por dedicar esse livro a uma pessoa grande. Tenho uma desculpa seria: essa pessoa grande é o melhor amigo que possuo no mundo, tenho uma outra desculpa: essa pessoa grande é capaz de compreender todas as coisas, até mesmo os livros de criança. Tenho ainda uma terceira: essa pessoa grande mora na frança, e ela tem fome e frio.
Ela precisa de consolo, se todas as desculpas não bastam, eu dedico então esse livro à criança que essa pessoa grande já foi, todas as pessoas grandes foram um dia crianças (mas poucas se lembram disso). Corrijo, portanto, a dedicatória.

À Leon Werth
Quando ele era pequeno

(Dedicatória do livro o Pequeno Príncipe – Antoine de Saint-Exupéry)

sexta-feira, 22 de abril de 2011

pascoa[5]

PÁSCOA
Claudinê Ferreira

Diferente do que a maioria sabe, na Páscoa não se comemora a Ressurreição de Cristo. A Páscoa foi instituída muito antes de Jesus, e Ele também comemorava a Páscoa, tanto é verdade, que antes d'Ele ser preso, fez questão de comemorá-la junto com seus discípulos, fato esse, que ficou conhecido coma a Santa Ceia, a última Páscoa. "Chegou, porém, o dias dos ázimos, em que importava sacrificar a Páscoa. E Jesus mandou Pedro e João dizendo: Ide, preparai a Páscoa para que a comamos."  (Lucas 22:8)  "E disse-lhes: Desejei muito comer convosco esta Páscoa, antes que padeça." (Lucas 22:15)

Na verdade, a Páscoa, vem dos primórdios do Velho Testamento, e encontramos a sua instituição no livro de Êxodos no capítulo 12 que relata toda sua história.

O povo hebreu se encontrava cativo no Egito por um longo tempo, e Deus então chama Moisés para libertar o Seu povo. Moisés, seguindo as instruções de Deus se apresenta diante do faraó e pede a liberdade para o povo. Faraó nega dar a liberdade, e assim, Moisés, usando o poder que Deus havia lhe concedido, faz cair as pragas sobre o Egito para amolecer o endurecido coração do Faraó.

A nação egípcia começa a sofrer com a praga das águas que se tornaram em sangue, a praga das rãs, a praga dos piolhos, a praga das moscas, a praga da peste nos animais, a praga da saraiva, a praga dos gafanhotos, a praga das trevas e aquela que seria a última praga, e que faria com que faraó libertasse o povo hebreu: A morte de todos os primogênitos.

Para que os Hebreus não fossem atingidos por essa praga, Deus chama Moisés e lhe dá instruções que deveriam ser seguidas por todos indistintamente, que eram as seguintes: Cada um deveria pegar um carneiro ou um cabrito sem nenhum defeito, sem nenhuma mancha, sacrificar esse animal, pegar o sangue e passar nos batentes das portas das casas, marcando o local para que o anjo da morte não entrasse ali. E mais, deveriam preparar-se para a partida, e a meia noite, deveriam comer a carne do animal sacrificado que deveria ser preparada assada sobre o fogo, acompanhada de ervas amargas e com pães ázimos, um pão sem fermento. Deveriam ter os ombros cobertos, os pés calçados e o cajado nas mãos, e que comessem apressadamente." ...esta é a Páscoa do Senhor.  (Êxodos 12:11) "E este dia vos será por memória, e celebrá-lo-eis por festa ao Senhor: nas vossas gerações o celebrareis por estatuto perpétuo." (Êxodos 12:14) "Portanto guardai isto por estatuto para vós e para vossos filhos, para sempre." (Êxodos 12:24)  "Então direis: Este é o sacrifício da Páscoa ao Senhor, que passou as casas dos filhos de Israel no Egito, quando feriu aos egípcios, e livrou as nossas casas. Então o povo inclinou-se, e adorou." (Êxodos 12:27).

No decorrer da história, e nos primórdios dos tempos, pelo fato da ressurreição de Jesus ter se dado logo após a Páscoa, a Igreja Católica passou a comemorar a Páscoa e a Ressurreição como um único fato, dando origem ao que conhecemos hoje, como: Páscoa, a Ressurreição de Cristo.

Portanto, o que é a Páscoa? 

Páscoa é libertação!

É o momento de nos libertarmos do egoísmo, da incredulidade, da indiferença, da falta de amor, do preconceito, da falsidade, da negligência e da ignorância.

De nos libertarmos do eu e pensarmos no nós. De olharmos em volta e vermos que não estamos sozinhos, de pensarmos em grupo e no grupo do qual façamos parte, seja ele familiar, de amigos ou de colegas de trabalho.

Como o povo Hebreu no passado, devemos cobrir nosso ombros com o conhecimento, calçar os pés com a força de vontade, pegar o cajado da união e partimos para a terra prometida do sucesso.

Devemos comer a carne queimada no fogo do esforço, com as ervas amargas da dedicação e o pão sem fermento da amizade para que no futuro próximo possamos adentrar na terra que emana o pão do dever cumprido e o mel do sucesso alcançado. 

Páscoa é renascimento!

É o momento de renascermos para as novas idéias, para as mudanças necessárias, para o novo que se descortina à nossa frente.

Renascermos para fé no ser humano, para a fé em Deus, para a fé no futuro que virá. Renascermos para o conhecimento, para o bom relacionamento em todo nosso convívio, na família ou no trabalho, no prédio onde moro ou na rua em que resido. Renascermos para aqueles que precisam de nós, para fazermos o bem sem nos importarmos a quem.

Renascermos para a união de todos com os olhos voltados para o objetivo comum. Renascermos para o  desprendimento dos velhos hábitos, dos vícios antigos, das mágoas e das tristezas vividas, do rancor e do sentimento de vingança, das humilhações sofridas, da falta de vontade e de colaboração, enfim, de todo o entulho que temos em nós.

Renascermos para o amor e vivermos o amor em toda sua plenitude, abrirmos os olhos e despertarmos para sermos novos, melhores e mais felizes.

Essa é a verdadeira Páscoa, o verdadeiro espírito da Páscoa, Libertação e Renascimento.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Poesia: A IMAGEM PERDIDA
Mario Quintana
Música e Voz: Márcio Faraco

Como essas coisas que não valem nada
E parecem guardadas sem motivo
Alguma folha seca... uma taça quebrada
Eu só tenho um valor estimativo...

Nos olhos que me querem é que eu vivo
Esta existencia efêmera e encantada...
Um dia hão de extinguir-se, então, mais nada

Mais nada
Refletirá meu vulto vago e esquivo...
E cerraram-se os olhos das amadas,
O meu nome fugiu de seus lábios vermelhos,
Nunca mais, de um amigo, o caloroso abraço...

E, no entretanto, em meio desta longa viagem,
Muitas vezes parei... e, nos espelhos,
Procuro em vão, minha perdida imagem!

 

Poema manuscrito encontrado no acervo deixado por Mário Quintana.
Todo o acervo foi entregue ao Centro de Memória Literária da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, pela herdeira de Quintana, a sobrinha-neta Elena, para que seja preservado e divulgado.

Poesia: Canção do Vento e da Minha Vida
Autor: Manuel Bandeira
Música e Voz: Amauri Falabella

O vento varria as folhas,
O vento varria os frutos,
O vento varria as flores...
E a minha vida ficava
Cada vez mais cheia
De frutos, de flores, de folhas.

O vento varria as luzes,
O vento varria as músicas,
O vento varria os aromas...
E a minha vida ficava
Cada vez mais cheia
De aromas, de estrelas, de cânticos.

O vento varria os sonhos
E varria as amizades...
O vento varria as mulheres...
E a minha vida ficava
Cada vez mais cheia
De afetos e de mulheres

O vento varria os meses
E varria os teus sorrisos...
O vento varria tudo!
E a minha vida ficava
Cada vez mais cheia
De tudo.

REALIDADE
Florbela Espanca

Em ti o meu olhar fez-se alvorada,
E a minha voz fez-se gorjeio de ninho,
E a minha rubra boca apaixonada
Teve a frescura pálida do linho.

Embriagou-me o teu beijo como um vinho
Fulvo de Espanha, em taça cinzelada,
E a minha cabeleira desatada
Pôs a teus pés a sombra dum caminho.

Minhas pálpebras são cor de verbena,
Eu tenho os olhos garços, sou morena,
E para te encontrar foi que eu nasci...

Tens sido vida fora o meu desejo,
E agora, que te falo, que te vejo,
Não sei se te encontrei, se te perdi...

3-2 
Florbela Espanca
In Charneca em flor, 1931
Imagem: pintura de Ed Tadiello

terça-feira, 19 de abril de 2011
card_niveranderson

Que venha o amanhã com seu arsenal de cores e sabores.
Para ele criarei novas palavras e tecerei novos sonhos.

(Anderson Christofoletti > poesia na íntegra aqui)

domingo, 17 de abril de 2011

A Voz da Poesia

 

Prezados amigos(as),

A nossa comunidade do Orkut agora possui sua página equivalente no Facebook. Quem se dispuser a participar, é só digitar "A Voz da Poesia" na ferramenta "Procurar" do referido site (campo em branco que fica no topo da tela), e clicar na opção situada em Grupos, aguardando a admissão do novo membro. Aproveite também para adicionar "A Voz da Poesia" ao seu rol de amigos, que surge relacionada em Pessoas.

Ou então, para facilitar o acesso direto, clique no link abaixo:

http://www.facebook.com/home.php#!/home.php?sk=group_160991050627733

Esperamos carinhosamente e contamos desde já com sua presença!

A Voz da Poesia (falando ao coração em todos os lugares)

sábado, 16 de abril de 2011

card_rubemalves

sexta-feira, 15 de abril de 2011

SOLETRANDO A SOLIDÃO
Ana Merij

A dor que sinto não é de vazios
Dentro de mim,
vozes - ternuras
mãos  - aquecidas
palavras - ecoantes
promessas – vidas

Dentro de mim,
um rio
uma pedra
uma trilha
uma rua
uma estrela
um apito
um trem
uma aldeia

A dor que sinto é de cheios
Dentro de mim... moradas
Carrego multidões alvoroçadas

A dor que sinto... não é de retalhos

Padeço de inteiros!

barrinha

© Ana Merij

Imagem >> DAQUI

O poema Uma Pedra no Meio do Caminho, de Carlos Drummond de Andrade, declamado nos idiomas:

Português
Inglês
Hebraico
Dinamarquês
Francês
Holandês
Italiano
Húngaro
Alemão
Latim
Espanhol
Tupi

Fonte: DAQUI

A BARCA DOS AMANTES
Intérprete: Milton Nascimento
Composiçào: Milton Nascimento e Sérgio Godinho

Ah, quanto eu queria navegar
Pra sempre a Barca dos Amantes
Onde o que eu sei deixei de ser
Onde ao que eu vou não ia dantes

Ah, quanto eu queria conseguir
Trazer a Barca à madrugada
E desfraldar o pano branco
Na que for terra mais amada

E que em toda a parte o teu corpo
Seja o meu porta-estandarte
Plantado no céu mais fundo
Possa agitar-me no vento
E mostrar a cor ao mundo

Ah, quanto eu queria navegar
Pra sempre a Barca dos Amantes
Onde o que eu vi me fez vogar
De rumos meus, a cais errantes

Ah, quanto eu queria me espraiar
Fazer a trança à calmaria
Avistar terra e não saber
Se ainda o é quando for dia

E que em toda a parte o teu corpo
Seja o meu porta-estandarte
Plantado no seu mais fundo
Possa agitar-me no vento
E mostrar a cor ao mundo

Ah, quanto eu queria navegar
Pra sempre a Barca dos Amantes
Onde o que eu sei deixei de ser
Onde ao que eu vou não ia dantes

Ah, quanto eu queria me espraiar
Fazer a trança à calmaria
Avistar terra e não saber
Se ainda o é quando for dia

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Na minha memória tão congestionada e no meu coração tão cheio de marcas e poços, você ocupa um dos lugares mais bonitos.

Caio Fernando Abreu

sunflower

DAQUI

rosa_g_0571

VERSOS A UMA ROSA
Anderson Christofoletti

 

As rosas
Não precisam de palavras
Raras;

Não carecem de olhos devotos,
Tampouco de novos rótulos.

Traspassam o crivo
Do olhar petrificado
E sabem a beijo lascivo
De casal enamorado.

Derramam-se em olhares absortos,
Por entre corações que se encontram
E encontros que fecundam paixões.

As rosas são versos inefáveis,
Amores impossíveis
E amantes incansáveis.

Ânforas da feérica essência esquecida,
As rosas falam pela beleza da vida.

6oe9ste[1] 
© Anderson Christofoletti
Imagem da Internet (modificada)

quarta-feira, 13 de abril de 2011

13 de Abril – Dia do Beijo

Tua boca se faz carne
Ungida de saliva:
Lasciva violação
No obscuro
Mistério do beijo,
No explícito
Ardil do desejo

© Anderson Christofoletti

 o beijo de Auguste Rodin o beijo de Rodin

O BEIJO
Obra de
Auguste Rodin

Os dois amantes absorvidos num intenso beijo representados na estátua "O Beijo", realizada por Auguste Rodin, transmitem uma tal força emotiva e sensualidade que tornou esta obra numa das mais famosas esculturas de todos os tempos.
Embora plasticamente seja mais conservadora que o coevo "O Pensador" ou outras peças moldadas em bronze, esta estátua apresentava uma característica importante da obra madura de Rodin, o interesse pelo inacabado e pela ideia da libertação das figuras dos blocos de pedra que a originaram, cujas raízes conceptuais e formais se encontram nas estátuas inacabadas dos "Escravos" de Michelangelo. Outra referência à escultura renascentista, pela qual Rodin tanto se interessara na sua viagem a Itália em 1875, é a meticulosa tentativa de tradução do movimento e da anatomia muscular assim como a técnica delicada no trabalho do mármore.
A associação das duas figuras a um bloco de mármore grosseiramente aparelhado, permitia acentuar o contraste de textura e consequemente destacar a leveza, sensualidade e carnalidade dos corpos dos amantes.
Marcado ainda pelo ideal estético romântico que procurava a beleza através da representação de estados de alma, "O Beijo" constituiu igualmente uma das obras precursoras do período moderno da escultura, acompanhando o despontar do impressionismo na pintura.
A escultura "O Beijo" apresenta uma dimensão ligeiramente acima do natural (tem uma altura de 183 centímetros) e encontra-se exposta no Museu Rodin, em Paris.

Antes de criar a versão em mármore de "O Beijo", Rodin produziu várias esculturas menores em barro, gesso e bronze.

Em 1888, o governo francês encomendou a primeira versão de mármore em grande escala de "O Beijo" de Rodin para a Exposição Universal de 1889, mas foi exibido publicamente pela primeira vez no "Salon de la Société National des Beaux-Arts" em 1898. Era tão popular que a empresa "Barbedienne" ofereceu a Rodin um contrato para produzir um número limitado de cópias menores em bronze. Em 1900, a estátua foi movida para o "Musée du Luxembourg", antes de ser levada para a sua localização actual, o Musée Rodin, em 1918.

Um grande número de moldes foram feitos. O Musée Rodin relata que a "Fundação Barbedienne" sozinha produziu 319. De acordo com a lei francesa, decretada em 1978, apenas as primeiras doze podem ser chamadas de originais.

 

Fontes:

Infopédia
Wikipédia

XVII - UM HEMISFÉRIO EM UMA CABELEIRA
Charles Baudelaire


Deixa-me aspirar durante muito tempo, muito tempo, o odor de teus cabelos e mergulhar neles todo o meu rosto, como um homem com sede na água de uma fonte, e agitá-los com minha mão como um lenço perfumado para dispersar as lembranças no ar. Se pudesses saber tudo o que vejo! Tudo o que sinto! Tudo o que percebo em teus cabelos! Minha alma viaja sobre esse perfume como a alma de outros homens sobre a música.
Teus cabelos contêm todo um sonho, cheio de velas e mastros; eles contêm os grandes mares para onde as monções me levam, os climas charmosos onde o espaço é mais azul e mais profundo; onde a atmosfera é perfumada pelas frutas, pelas folhas e pela pele humana.
No oceano de tua cabeleira entrevejo um porto formigando de cantos melancólicos, de homens vigorosos de todas as nações e de navios de todas as formas recortando suas finas e melancólicas arquiteturas sob um céu imenso onde se espreguiça o eterno calor.
Nas carícias de tua cabeleira reencontro langores das longas horas passadas sobre um divã, no quarto de um belo navio, embalado pelo imperceptível balanço das águas do porto, entre vasos de flores e bebidas refrescantes.
No ardente ninho de tua cabeleira respiro o odor de tabaco misturado ao ópio e ao açúcar; na noite de tua cabeleira vejo o infinito resplendor do azul tropical; sobre as margens cheias de penugem de tua cabeleira embriago-me com os odores de alcatrão, de almíscar e de óleo de coco.
Deixa-me morder, demoradamente, tuas tranças pesadas e negras. Quando mordisco teus cabelos elásticos e rebeldes parece-me que estou comendo lembranças.

barr_50 
Charles Baudelaire
In Pequenos poemas em prosa (O Spleen de Paris)
Imagem: pintura de Jack Vettriano

terça-feira, 12 de abril de 2011

FELICIDADE
Sophia de Mello Breyner Andresen


Pela flor pelo vento pelo fogo
Pela estrela da noite tão límpida e serena
Pelo nácar do tempo pelo cipreste agudo
Pelo amor sem ironia - por tudo
Que atentamente esperamos
Reconheci tua presença incerta
Tua presença fantástica e liberta

13-1

In Poesia 1 - I – 1944
Imagem: Pintura de Michael and Inessa Garmash

RENÉ MAGRITTE
René François Ghislain Magritte

Nasceu: 21/11/1898
Local: Lessines, Bélgica
Faleceu: 15/08/1967 (68 anos), Bruxelas
Movimento estético: Surrealismo

Pintor de imagens insólitas, às quais deu tratamento rigorosamente realista, utilizou-se de processos ilusionistas, sempre à procura do contraste entre o tratamento realista dos objetos e a atmosfera irreal dos conjuntos.
Suas obras são metáforas que se apresentam como representações realistas, através da justaposição de objetos comuns, e símbolos recorrentes em sua obra, tais como o torso feminino, o chapéu côco, o castelo, a rocha e a janela, entre outros mais, porém de um modo impossível de ser encontrado na vida real.

Filho caçula de Léopold Magritte. Em 1912 sua mãe, Régina, cometeu suicídio por afogamento no rio Sambre. Magritte estava presente quando o corpo de sua mãe foi retirado das águas do rio.
Em 1916, ingressou na Académie Royale des Beaux-Arts, em Bruxelas, onde estudou por dois anos. Foi durante esse período que ele conheceu Georgette Berger, com quem se casou em 1922. Trabalhou em uma fábrica de papel de Parede, e foi designer de cartazes e anúncios até 1926, quando um contrato com a Galerie la Centaure, na capital belga, fez da pintura sua principal atividade. Nesse mesmo ano, Magritte produziu sua primeira pintura surrealista, Le jockey perdu, tendo sua primeira exposição apresentada no ano seguinte.
René Magritte praticava o surrealismo realista, ou “realismo mágico”. Começou imitando a vanguarda, mas precisava realmente de uma linguagem mais poética e viu-se influenciado pela pintura metafísica de Giorgio de Chirico.
Magritte tinha espírito travesso, e, em A queda, seus bizarros homens de chapéu-coco despencam do céu absolutamente serenos, expressando algo da vida como conhecemos. Sua arte, pintada com tal nitidez que parece muitíssimo realista, caracteriza o amor surrealista aos paradoxos visuais: embora as coisas possam dar a impressão de serem normais, existem anomalias por toda a parte: A Queda tem uma estranha exatidão, e o surrealismo atrai justamente porque explora nossa compreensão oculta da esquisitice terrena.
Mudou-se para Paris em 1927, onde começou a se envolver nas atividades do grupo surrealista, tornando-se grande amigo dos poetas André Breton e Paul Éluard e do pintor Marcel Duchamp.
Quando a Galerie la Centaure fechou e seu contrato encerrou, Magritte retornou a Bruxelas. Permaneceu na cidade mesmo durante a ocupação alemã, na Segunda Guerra Mundial.
Seu trabalho foi exposto em 1936 na cidade de Nova York, Estados Unidos, e em mais duas exposições retrospectivas nessa mesma cidade, uma no Museu de Arte Moderna, em 1965, e outra no Metropolitan Museum of Art, em 1992.
Magritte morreu de câncer e foi enterrado no Cemitério Schaarbeek, em Bruxelas.

Fontes:
do texto:
Wikipédia
das imagens: Picasa

A MÚSICA DE CADA UM
Ana Cláudia Saldanha Jácomo

Há no coração de cada um de nós, por essência, uma música que é somente nossa, inigualável, intransferível. Por várias razões, conhecidas ou não, às vezes aprendemos desde muito cedo a diminuir, gradativamente, o seu volume e inventar ruídos que nada tem a ver com ela para nos relacionarmos com nós mesmos e com os outros. Até que chega um tempo em que desaprendemos a entrar no nosso próprio coração para ouvi-la e, porque não passeamos mais nele, porque não a ouvimos mais, não é raro esquecermos completamente que ela existe. Mas, como toda ignorância, toda indiferença, toda confusão, não são capazes de apagar a beleza original dessa partitura impressa na alma, ela continua tocando, ainda que de forma imperceptível. Continua tocando, à espera do dia em que, de novo ou pela primeira vez, possamos aumentar o seu volume, trazê-la à tona, compartilhá-la. Continua tocando, e alguns são capazes de escutá-la mesmo quando não conseguimos.
Todo encontro genuíno de amor é também o encontro de duas pessoas que conseguem ouvir a música uma da outra e sentir alegria e descanso com aquilo que ouvem. Conseguem ouvir, não importa quantos ruídos tenham inventado pelo caminho para se proteger da dor afastando a vida.

3-2 

© Ana Cláudia Saldanha Jácomo
In
Cheiro de Flor Quando Ri

Imagem: pintura de Antonia de Banuelos-Thorndike (1856-1921)

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Música: Ouvir Estrelas
Composição: George Israel/ Paula Toller
Intérpretes: Kid Abelha

Inspirada no poema:
ORA, DIREIS, OUVIR ESTRELAS
Olavo Bilac

OUVIR ESTRELAS

Direis ouvir estrelas
Certo perdestes o senso
E eu vos direi, no entanto
Que, para ouvi- las
Muita vez desperto
E abro as janelas,
Pálido de espanto
Enquanto conversamos
Cintila a via láctea
Como um pálio aberto
E ao vir do sol,
Saudoso e em pranto
Inda as procuro pelo céu deserto
Que conversas com elas
O que te dizem
Quando estão contigo
Ah... Amai para entendê-las
Ah... Pois só que ama pode ouvir estrelas

ORA (DIREIS) OUVIR ESTRELAS

XIII

“Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
Perdeste o senso!” E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-las, muita vez desperto
E abro as janelas, pálido de espanto...

E conversamos toda a noite, enquanto
A via - láctea, como um pálio aberto,
Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,
Inda as procuro pelo céu deserto.

Direis agora: “Tresloucado amigo!
Que conversas com elas? Que sentido
Tem o que dizem, quando estão contigo?”

E eu vos direi: ”Amai para entendê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e de entender estrelas”

Fontes:
Do Vídeo >
AQUI
Música do CD Autolove - Kid Abelha, 1998 (Warner Music)

sábado, 9 de abril de 2011

CANÇÃO DA CHEGADA
Maria da Conceição Bentes

Talho meu compasso nos teus passos
colhendo sonhos
esculpidos na eternidade

Coloca-me em teu regaço
ilustrando-me em tua vida
na hora efêmera em que dispo tua alma

Desfolha-me em palavras,
depõe tua música nas ondas
do teu sorriso
e retira a descrença
do meu coração inválido

0-3

Imagem: pintura de Pio Blanchi (1848-1917)

DESEJO
Gonçalves Dias

Ah! que eu não morra sem provar, ao menos
Sequer por um instante, nesta vida
Amor igual ao meu!
Dá, Senhor Deus, que eu sobre a terra encontre
Um anjo, uma mulher, uma obra tua,
Que sinta o meu sentir;
Uma alma que me entenda, irmã da minha,
Que escute o meu silêncio, que me siga
Dos ares na amplidão!
Que em laço estreito unidas, juntas, presas,
Deixando a terra e o lodo, aos céus remontem
Num êxtase de amor!
barrinha_3
©Gonçalves Dias
In Primeiros Cantos, 1846
Imagem: Talantbek Chekirov

SOU O QUE SEREI
Augusto Frederico Schmidt


Às vezes me abandono inteiramente a saudades estranhas
E viajo por terras incríveis, incríveis.
Outras vezes porém qualquer coisa à-toa –
O uivo de um cão na noite morta,
O apito de um trem cortando o silêncio,
Uma paisagem matinal,
Uma canção qualquer surpreendida na rua –
Qualquer coisa acorda em mim coisas perdidas no tempo
E há no meu ser uma unidade tão perfeita
Que perco a noção da hora presente, e então

Sou o que fui.
E sou o que serei.

barrinha_5

Imagem da Internet, via Google

sexta-feira, 8 de abril de 2011

card_Casimiro_de_Brito

quarta-feira, 6 de abril de 2011

image

UM DIA
Sophia de Mello Breyner Andresen


Um dia, mortos, gastos, voltaremos
A viver livres como os animais
E mesmo tão cansados floriremos
Irmãos vivos do mar e dos pinhais.

O vento levará os mil cansaços
Dos gestos agitados irreais
E há-de voltar aos nossos membros lassos
A leve rapidez dos animais.

Só então poderemos caminhar
Através do mistério que se embala
No verde dos pinhais na voz do mar
E em nós germinará a sua fala.

r

In Dia do Mar
Imagem de diversas fontes da Internet, via Google

terça-feira, 5 de abril de 2011

DEZ CHAMAMENTOS AO AMIGO
Hilda Hilst

VIII

De luas, desatino e aguaceiro
Todas as noites que não foram tuas.
Amigos e meninos de ternura

Intocado meu rosto-pensamento
Intocado meu corpo e tão mais triste
Sempre à procura do teu corpo exato.

Livra-me de ti. Que eu reconstrua
Meus pequenos amores. A ciência
De me deixar amar
Sem amargura. E que me dêem

Enorme incoerência
De desamar, amando. E te lembrando

- Fazedor de desgosto -
Que eu te esqueça.

barrinha_7

©Hilda Hilst
In Júbilo memória noviciado da paixão, 1974
Imagem da Internet, via Google

SOU CALMARIA
Alexandre Tambelli

Eu vi na minha vida
O tempo passando.
Eu vi cada desejo se dissipando
Com o mal tempo.

A tempestade perdida
Em um ato, em outro contratempo.
E da magia das gotas d'água
Apenas vi, uma ponta de mágoa.

Por que não vivi?
Se tive todo caminho.
Por que o sol eu não vi?

Porque sou a fortaleza secreta
Que do sonho, livre e sozinho
Prefere a calmaria, simples e discreta.

barrinha_4

© Alexandre Tambelli
Imagem da Internet, via Google

Coração, fonte da Vida,
da vida a própria razão.
- E tanta gente eu conheço,
vivendo sem coração...


Adelmar Tavares

segunda-feira, 4 de abril de 2011
 


O LAÇO DE FITA
Poesia de Castro Alves
Música e Voz:
Canto in Verso

Não sabes, criança? ‘Stou louco de amores...
Prendi meus afetos, formosa Pepita.
Mas onde? No templo, no espaço, nas névoas?!
Não rias, prendi-me
Num laço de fita.
Na selva sombria de tuas madeixas,
Nos negros cabelos da moça bonita,
Fingindo a serpente qu’enlaça a folhagem,
Formoso enroscava-se
O laço de fita.
Meu ser, que voava nas luzes da festa,
Qual pássaro bravo, que os ares agita,
Eu vi de repente cativo, submisso
Rolar prisioneiro
Num laço de fita.
E agora enleada na tênue cadeia
Debalde minh’alma se embate, se irrita...
O braço que rompe cadeias de ferro,
Não quebra teus elos,
Ó laço de fita!
Meu Deus! As falenas têm asas de opala,
Os astros se libram na plaga infinita.
Os anjos repousam nas penas brilhantes...
Mas tu... tens por asas
Um laço de fita.
Há pouco voavas na célere valsa
Na valsa que anseia, que estua e palpita.
Por que é que tremeste? Não eram meus lábios...
Beijava-te apenas...
Teu laço de fita.
Mas ai! findo o baile, despindo os adornos
N’alcova onde a vela ciosa... crepita,
Talvez da cadeia libertes as tranças
Mas eu... fico preso
No laço de fita.
Pois bem! Quando um dia na sombra do vale
Abrirem-me a cova... formosa Pepita!
Ao menos arranca meus louros da fronte,
E dá-me por c’roa...
Teu laço de fita.

© Castro Alves
São Paulo, julho de 1868
Espumas Flutuantes,1870
Saiba mais de Castro Alves
Saiba mais de Canto in Verso


LUA CHEIA
Comp.: Chico Buarque e Toquinho
Interp.: Chico Buarque

Ninguém vai chegar do mar
nem vai me levar daqui
nem vai calar minha viola que desconsola,
chora notas pra ninguém ouvir
Minha voz ficou na espreita, na espera,
quisera abrir meu peito, cantar feliz
Preparei para você uma lua cheia
e você não veio, e você não quis
Meu violão ficou tão triste, pudera,
quem dera abrir janelas, fazer serão
Mas você me navegou mares tão diversos
e eu fiquei sem versos, e eu fiquei em vão

domingo, 3 de abril de 2011

CARNE E ALMA
Anderson Christofoletti


Gosto de sentir sua voz
Penetrando em meu universo de silêncio
Nestes dias cinzentos
Em que nem eu me pertenço.

Seu jeito lúcido e sereno
De desvendar meus caminhos
E percorrê-los sem se perder,
Me torna mais e mais
Vulnerável às suas palavras.

Não entendo de que forma nasce
E qual força rege
Esta minha carência de você;
Esta precisão incessante
Que renasce das cinzas
Cada vez mais falta;
Cada vez mais você
Em mim;
Cada vez mais carne
E alma.

Em meu peito
Sustento uma armadura fundida
Em lágrima e dor,
Nela pode-se ver cunhada
A efígie de uma rosa
Em mulher e fogo.

Feito guerreiro exaurido,
Entrego-me às suas mãos
Refazendo-me em ti
Dos ferimentos:
Da memória em lâmina
Do mundo.

  358741o8cbncp84a[2]    

Leia mais do autor > AQUI  >> AQUI

©Anderson Christofoletti

sábado, 2 de abril de 2011
Claude_Theberge_the_invitation 

PESO DE NUVENS
Sophia de Mello Breyner Andresen


Sacode as nuvens que te poisam nos cabelos,
Sacode as aves que te levam o olhar.
Sacode os sonhos mais pesados do que as pedras.
Porque eu cheguei e é tempo de me veres,
Mesmo que os meus gestos te trespassem
De solidão e tu caias em poeira,
Mesmo que a minha voz queime o ar que respiras
E os teus olhos nunca mais possam olhar.

0-3

Mais de Sophia de Mello Breyner Andresen
Imagem: Pintura de Claude Theberge (the invitation)

"Este texto circulou mto tempo como sendo de Paulo Fuentes; estava no site pessoal dele e tb no Recanto das Letras… Inclusive ele chegou a receber premios pelo texto.

Até que Ricardo Labatt apareceu dizendo-se autor do texto, publicado em jornal. E tinha provas. Paulo Fuentes tirou rapidinho o texto do site dele." Betty Vidigal

Então, retirem o nome da Clarice Lispector, do Paulo Fuentes, e coloquem o de RICARDO LABATT.

RIFA-SE UM CORAÇÃO
Ricardo Labatt

Rifa-se um coração quase novo. Um coração idealista. Um coração como poucos. Um coração à moda antiga. Um coração moleque que insiste em pregar peças no seu usuário. Rifa-se um coração que na realidade está um pouco usado, meio calejado, muito machucado e que teima em alimentar sonhos e, cultivar ilusões. Um pouco inconseqüente que nunca desiste de acreditar nas pessoas. Um leviano e precipitado coração que acha que Tim Maia estava certo quando escreveu… “…não quero dinheiro, eu quero amor sincero, é isso que eu espero…”. Um idealista…Um verdadeiro sonhador…

Rifa-se um coração que nunca aprende. Que não endurece, e mantém sempre viva a esperança de ser feliz, sendo simples e natural. Um coração insensato que comanda o racional sendo louco o suficiente para se apaixonar. Um furioso suicida que vive procurando relações e emoções verdadeiras. Rifa-se um coração que insiste em cometer sempre os mesmos erros. Esse coração que erra, briga, se expõe. Perde o juízo por completo em nome de causas e paixões. Sai do sério e, às vezes revê suas posições arrependido de palavras e gestos. Este coração tantas vezes incompreendido. Tantas vezes provocado. Tantas vezes impulsivo.

Rifa-se este desequilibrado emocional que abre sorrisos tão largos que quase dá pra engolir as orelhas, mas que também arranca lágrimas e faz murchar o rosto. Um coração para ser alugado, ou mesmo utilizado por quem gosta de emoções fortes. Um órgão abestado indicado apenas para quem quer viver intensamente contra indicado para os que apenas pretendem passar pela vida matando o tempo, defendendo-se das emoções. Rifa-se um coração tão inocente que se mostra sem armaduras e deixa louco o seu usuário. Um coração que quando parar de bater ouvirá o seu usuário dizer para São Pedro na hora da prestação de contas: “O Senhor pode conferir. Eu fiz tudo certo, só errei quando coloquei sentimento. Só fiz bobagens e me dei mal quando ouvi este louco coração de criança que insiste em não endurecer e, se recusa a envelhecer”

Rifa-se um coração, ou mesmo troca-se por outro que tenha um pouco mais de juízo. Um órgão mais fiel ao seu usuário. Um amigo do peito que não maltrate tanto o ser que o abriga. Um coração que não seja tão inconseqüente. Rifa-se um coração cego, surdo e mudo, mas que incomoda um bocado. Um verdadeiro caçador de aventuras que ainda não foi adotado, provavelmente, por se recusar a cultivar ares selvagens ou racionais, por não querer perder o estilo. Oferece-se um coração vadio, sem raça, sem pedigree. Um simples coração humano. Um impulsivo membro de comportamento até meio ultrapassado. Um modelo cheio de defeitos que, mesmo estando fora do mercado, faz questão de não se modernizar, mas vez por outra, constrange o corpo que o domina. Um velho coração que convence seu usuário a publicar seus segredos e a ter a petulância de se aventurar como poeta…

A intenção era fotografar a “LUA GRANDE” do dia 19/03. Mas, algumas coisitas deram erradas:

- o céu nublado;
- o equipamento precário (bondade minha > péssimo mesmo) e
- a pessoa por trás do péssimo precário equipamento…
3D Smiles (116)

A praia, o mar, o céu estavam lindos naquele cair de tarde.

Então, pra vocês, apresento a “minha praia”

 

card_augustobastos 

“A porta aberta,
o vão do tempo,
a vida apenas,
este momento” 

(Augusto Sérgio Bastos)

card_augustobastos4

Entre o cinza do amanhã
e o branco da espera,
me permito o azul

(Augusto Sérgio Bastos)

NO VÉRTICE
Abgar Renault


No vértice de nunca e sempre, o ouvido
desconhece a surdez do lusco-fusco
e não compreende os pássaros do olvido
que compõem de ausências o crepúsculo;

formas, regressando do finito,
despem a pele de invernia e luto,
e ergue-se em prata a voz de morto mito;
chegam em carros de rodas de um minuto

pensamentos de fruto, rosas, face,
que em torno da lareira de ontem se amam;
a sombra acende-se; outro verde nasce;

e fábulas e sóis, em convivência,
dentro de adormecido olhar derramam
novas letras de sonho e de existência.

1097016nhde6cshft[1]

Mais de Abgar Renault
Imagem da Internet, via Google

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Hoje é dia de pregar peças nos amigos. Concordando ou não, a brincadeira existe em todos os cantos e recantos. E não só no Brasil.

Tudo começou quando o rei da França, Carlos IX, após a implantação do calendário gregoriano, instituiu o dia primeiro de janeiro para ser o início do ano. Naquela época, as notícias demoravam muito para chegar às pessoas, fato que atrapalhou a adoção da mudança da data por todos.

Antes dessa mudança, a festa de ano novo era comemorada no dia 25 de março e terminava após uma semana de duração, ou seja, no dia primeiro de abril. Algumas pessoas, as mais tradicionais e menos flexíveis, não gostaram da mudança no calendário e continuaram fazer tal comemoração na data antiga. Isso virou motivo de chacota e gozação, por parte das pessoas que concordaram com a adoção da nova data, e passaram a fazer brincadeiras com os radicais, enviando-lhes presentes estranhos ou convites de festas que não existiam.Tais brincadeiras causaram dúvidas sobre a veracidade da data, confundindo as pessoas, daí o surgimento do dia 1º de abril como dia da mentira.

Aproximadamente duzentos anos mais tarde essas brincadeiras se espalharam por toda a Inglaterra e, consequentemente, para todo o mundo, ficando mais conhecida como o dia da mentira. Na França seu nome é “Poisson d’avril” e na Itália esse dia é conhecido como “pesce d’aprile”, ambos significando peixe de abril. No Brasil, o primeiro Estado a adotar a brincadeira foi Pernambuco, onde uma informação mentirosa foi transmitida e desmentida no dia seguinte. “A Mentira”, em 1º de abril de 1848, apresentou como notícia o falecimento de D. Pedro, fato que não havia acontecido.

Pregar mentiras nesse dia é uma brincadeira saudável, porém o respeito e o cuidado devem ser lembrados, para que ninguém saia prejudicado, afinal, a honestidade é a base para qualquer relacionamento humano.


Fonte:
DAQUI >>
Brasil Escola
Texto de Jussara de Barros
Graduada em Pedagogia

A imagem é da Internet via Google

Related Posts with Thumbnails

Poética

Poesias

Poetas

Vídeos

A Voz aqui

Pergunte-me

Me leva!

A Poética dos Amigos

Google+

Feed

Posts Coments

Receber postagens por E-mail

Perdi todos :'(

Arquivos