quarta-feira, 1 de outubro de 2008

rubi_1

Um cantor que faz juz ao nome.
Dono de uma tessitura que vai do barítono ao contralto, Rubi impressiona também pela performance de palco, que agrega elementos de dança e teatro, num processo de aproximação de linguagens.

Formado bacharel em Artes Cênicas, ele já dividiu palco com Oswaldo Montenegro, Cássia Eller, Zélia Duncan, Chico César, Vânia Bastos e Elza Soares, entre outros. Como intérprete, seu trabalho mescla raízes da música popular brasileira como o maracatu, o afoxé e o samba, às sonoridades da música pop urbana.

Participou como cantor dos discos de Edson Cordeiro,  Zeca Baleiro, Célia Porto, Carlos Zimbher e Ricardo Movits e Paul Hallstein.

Como ator, participou de diversos espetáculos, dentre eles Mayã, de Oswaldo Montenegro, La Fontaine em Fábulas, de Dulce Bressane, A Família Titanic, de Mauro Rasi, Negro Anjo Azul, musical escrito especialmente por Ricardo Torres para ele, e foi um dos solistas de Brasil Outros 500, uma ópera pop de Millôr Fernandes, com músicas de Toquinho e Paulo César Pinheiro e arranjos de Wagner Tiso. [Fonte]

A voz de Rubi é doce quando quer, suave quando carece e forte se assim necessitar. Grave por vezes, aguda quase sempre. Inusitada, especial, sempre. Bela e afinada voz tem Rubi – assim é, faz dela o que quer. Brincar de gato e sapato com ela é o modo que tem de revelar seu mundo, de transbordar sua afeição à vida, de sentir prazer por ter gente querida ao redor.
A força do trabalho está no acerto dos arranjos que permitem que Rubi venha da voz apenas – densamente protegida por guitarra, contrabaixo, percussão, violões de aço, de náilon e de sete cordas e bandolim. [Fonte]

O cantor goiano Rubi, radicado em São Paulo, é daqueles cantores que tira o fôlego de qualquer um. Sua voz impressiona pela suavidade, expressividade e também pela tessitura, que vai do barítono ao contralto. Eleito melhor intérprete pelo júri popular e terceiro colocado geral no 8º Prêmio Visa, um dos mais importantes do país, Rubi mostra cada vez mais que realmente é um dos melhores cantores brasileiros da atualidade, e tem motivos para isso. Não bastasse sua voz singular e maravilhosa, ele também é formado em artes cênicas, o que deixa suas performances muito mais completas transformando o show em um espetáculo sensível e consistente. [Fonte]

Rubi foi o vencedor da 8ª Edição do Prêmio Visa, em 2005, com “Inverno” (José Miguel Wisnik), “Infinito Meu” (Gero Camilo), presentes no álbum Paisagem Humana.

Mais de Rubi

mulher_e_rosa imagem da internet

Eu te amo como um colibri resistente
incansável beija-flor que sou
batedora renitente de asas
viciada no mel que me dás depois que atravesso o deserto.
Pingas na minha boca umas gotas poucas
do que nem é uma vacina.
Eu uma mulher, uma ave, uma menina...
Assim chacinas o meu tempo de eremita:
quebras a bengala onde me apoiei, rasgas minhas meias
as que vestiram meus pés
quando caminhei as areias.
Eu te amo como quem esquece tudo
diante de um beijo
as inúmeras horas desbeijadas
os terríveis desabraços
os dolorosos desencaixes
que meu corpo sofreu longe do seu.
Elejo sempre o encontro.
Ele é o ponto do crochê.
Penélope invertida
nada começo de novo
nada desmancho
nada volto.

Teço um novo tecido de amor eterno
a cada olhar seu de afeto
não ligo para nada que doeu.
Só para o que deixou de doer tenho olhos.
Cega do infortúnio
pesco os peixes dos nossos encaixes
pesco as gozadas
as confissões de amor
as palavras fundas de prazer
as esculturas astecas que nos fixam
na história dos dias.
Eu te amo.
De todos os nossos montes
fico com as encostas.
De todas as nossas indagações
fico com as respostas.
De todas as nossas destilarias
fico com as alegrias.
De todos os nossos natais
fico com as bonecas.
De todos os nossos cardumes
as moquecas?

[Escolha - Elisa Lucinda]

xangai
Foto: Carô Murgel


Xangai (Eugênio Avelino)
20/3/1948 - Vitória da Conquista, BA

Cantor. Compositor. Violeiro.
Filho e neto de violeiros, nascido no sertão da Bahia, ainda pequeno fixa-se com a família na zona da mata de Minas Gerais. O pai abre uma sorveteria, na cidade de Nanuque, a Xangai, que lhe inspiraria o nome artístico.
Seu avô Avelino era mestre dos mestres dos sanfoneiros da região e faleceu aos 101 anos, tendo transmitido sua maestria ao filho Jany. Viveu tempos na fazenda de seu primo, o compositor Elomar. Aprendeu a cantar aboiando com os vaqueiros. O encontro com Elomar foi decisivo na sua formação artística. Começou a tocar na adolescência. Apesar de herdar do pai e do avô o gosto pela sanfona, acabou optando pelo violão.
Em 1973, mudou-se para o Rio de Janeiro, lá vivendo por mais de dez anos. Chegou a começar a faculdade de economia, mas abandonou para seguir a carreira artística. Considerado por parte da crítica uma das mais belas vozes a serviço da música sertaneja "de raiz". [Fonte]

Um cantor, um artista, um menestrel, um dos maiores poucos gatos pingados e tresloucados sonhadores-de-mãos-sangrentas-contrapontas-afiadas inimigas. Remanescentes que teima guardar a moribunda alma desta terra. Que também vai se atropelando contra a multidão de astros constelados que fulgurantes espargem luz negra dos céus dos que buscam a luz. Lá vai ele recalcitrante e contumás cavaleiro, perdulário da bem querência que deixa a índole dissoluta de um pobre povo que habita o espaço rico de uma pátria que ainda não nasceu... [Fonte]

DISCOGRAFIA

1976 - Acontecivento
1980 - Parceria malunga com Marcus Pereira
1981 - Qué que tu tem canário
1984 - Mutirão da vida
1984 - Cantoria 1
1985 - Cantoria 2
1986 - Xangai canta Elomar
1990 - Xangai. Lua cheia-Lua nova
1991 - Dos labutos
1996 - Aguaterra. Ao vivo com Renato Teixeira
1997 - Cantoria de festa
1998 - Mutirão da vida
1998 - Um abraço pra ti, pequenina
2002 - Brasileirança
2004 - Nóis é jeca mais é jóia- c/Juraildes da Cruz 2006 - Estampas Eucalol

Related Posts with Thumbnails

Poética

Poesias

Poetas

Vídeos

A Voz aqui

Me leva!

A Poética dos Amigos

Google+

Feed

Posts Coments

Receber postagens por E-mail

Perdi todos :'(

Arquivos