sábado, 26 de setembro de 2009

muriloconstantino_istoe                                                  Foto: Murilo Constantino Isto É

O dia em que Mindlin quebrou
Um dos maiores empreendedores do País, e apaixonado por livros, levou à ruína justamente uma livraria de obras raras
Por Tom Cardoso

Anos 40, centro de São Paulo. A cena ocorria quase todos os dias na Parthenon, livraria de obras raras instalada próximo à avenida São Luís. O cliente, ao comprar um livro, recebia de imediato a seguinte proposta de um dos três sócios da loja: "Se o senhor não gostar do livro, ou quiser devolvê-lo depois de ler, volte aqui que eu pago o dobro." Não é preciso dizer que a livraria foi à falência rapidamente, ao contrário de seu excêntrico dono, que, em poucos anos, se tornaria um próspero empresário. José Mindlin não ficou rico comercializando livros, nem poderia: continuou resistindo a vendêlos até se tornar o maior bibliófilo do País, com cerca de 40 mil títulos.

A fortuna veio com a venda de outra mercadoria pela qual ele não corria o risco de exercer qualquer tipo de afeição: pistões para automóveis.
Mindlin não entendia bulhufas de pistões - mas com eles criou a maior empresa de autopeças do Brasil nas décadas de 70 e 80. Mindlin amava (e ama) os livros, mas com eles levou à bancarrota sua pequena livraria. Espirituoso, o bibliófilo de 95 anos começou sua entrevista à DINHEIRO, concedida no confortável casarão no bairro do Brooklin, zona sul de São Paulo, revelando, sem qualquer cerimônia, o seu epitáfio: "José Mindlin: fabricou pistões a maior parte da vida sem saber do que se tratava".

Ele se diverte mesmo ao lembrar dos tempos de livreiro no centro de São Paulo. Conta que Jacques Bloch, seu amigo e atacadista de sucesso, aceitou investir 300 contos de réis, fortuna incalculável na época, para Mindlin e seu outro sócio, Cláudio Blum, comprarem livros raros na Europa, aproveitando os baixos preços do pós-guerra. O acervo de três mil livros emperrou pela já conhecida resistência de Mindlin em vendêlos. "Qualquer outro sócio teria me condenado à morte, mas o Bloch sabia que minha paixão pelos livros estava acima de qualquer ambição financeira", diz. As portas da livraria se abriram em 1946.

Cinco anos depois, com as contas no vermelho, o negócio foi transferido para o então gerente da casa e Mindlin deixou de ter qualquer vínculo com a Pathernon.
A questão é: a paixão de Mindlin pelos livros prejudicou o negócio? Economista da FEA/USP, há mais de 25 anos realizando estudos sobre empreendedores, Silvio Aparecido dos Santos não acredita nisso. "Mindlin aproveitou as conjunturas econômicas da época. Mindlin soube deixar ambos os negócios no momento certo: a Parthenon, antes de arruinar por completo os sócios, e a Metal Leve, antes da chegada dos grandes concorrentes. É um homem sensato", afirma Santos. Pedro Herz, proprietário da Livraria Cultura, rede de livrarias com mais de dois milhões de títulos em seu catálogo, é apaixonado por livros e, ao mesmo tempo, vendedor voraz.

"Sem paixão eu não iria tão longe. No caso do Mindlin é mais complicado. Não saberia definir em uma frase o que esse homem sente pelos seus livros."
Curiosamente, esse sentimento em relação à literatura ajudou na consolidação da Metal Leve. Mindlin era o responsável por negociar, no Rio de Janeiro, a liberação de guias de importação de matéria-prima.

Trabalho que costumava ser menos penoso desde que o empresário aceitasse pagar propina aos fiscais para "acelerar a liberação". Incorruptível, Mindlin vencia os fiscais, obrigados a conceder a licença de qualquer jeito, pelo cansaço. "O que eu precisava era mesmo de tempo livre para ler os meus livros. Nessas repartições, à espera das licenças, eu li a obra inteira de (Honoré de) Balzac", lembra. Ele também afirma que contou com uma boa dose de sorte. A Metal Leve, fundada com outros quatro sócios, surgiu no começo dos anos 50, na esteira do desenvolvimento da indústria automobilística e chegou a empregar seis mil funcionários e ter filiais no Exterior.
Quando decidiu vender as ações da empresa, em 1996, por causa da abertura do mercado brasileiro, Mindlin era um homem realizado: havia alcançado a independência financeira por um acaso do destino. E melhor, sem precisar vender um só livro.

Fonte:
http://www.terra.com.br/istoedinheiro/edicoes/625/artigo152663-1.htm

0 comentários:

Related Posts with Thumbnails

Poética

Poesias

Poetas

Vídeos

A Voz aqui

Me leva!

A Poética dos Amigos

Google+

Feed

Posts Coments

Receber postagens por E-mail

Perdi todos :'(

Arquivos